Soja: Mercado opera próximo da estabilidade à espera do USDA

Publicado em 08/03/2013 10:10 e atualizado em 08/03/2013 15:25
1426 exibições
Os futuros da soja operam do lado positivo da tabela, próximos da estabilidade nesta sexta-feira (08). Na sessão anterior, as cotações fecharam com leves altas, e o contrato março/13 conseguiu ultrapassar o patamar de US$ 15/bushel. Por volta das 10h10 (horário de Brasília) as principais posições negociadas na Bolsa de Chicago registravam ganhos entre 1,00 e 1,50 pontos.

Durante toda a semana os investidores têm buscado um melhor posicionamento frente ao relatório de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) que será divulgado na tarde desta sexta-feira. Segundo o analista de mercado da Consultoria Agroeconômica, Carlos Cogo, sinaliza que o mercado espera que o departamento norte-americano reduza os números de estoques finais de soja nos Estados Unidos. 

E qualquer alteração nos estoques, terá um impacto altista no mercado até a entrada na nova safra norte-americana. O relatório para a soja deve ser altista no curto prazo, afirma o analista. 

E diante dos baixos estoques do país, a demanda, especialmente a chinesa, permanece aquecida e não dá sinais de retração. E o Brasil não tem sido eficiente em atender a demanda mundial. Os problemas logísticos impedem que a oferta brasileira chegue à velocidade necessária aos países compradores.

Do mesmo modo, o departamento norte-americano pode revisar para baixo os números da produção da Argentina, em função das intempéries climáticas que prejudicaram as lavouras desde o início do plantio. O analista destaca que as projeções para a safra brasileira também podem ser reduzidas.

Contrariamente, o relatório do USDA tende a ser negativo para os futuros do milho. Com o Brasil exportando volumes maiores do cereal, e com os embarques norte-americanos em ritmo lento, o departamento pode aumentar os números de estoques de passagem dos EUA, conforme acredita Cogo. Fator que pode pressionar negativamente as cotações em Chicago. 
Tags:

Nenhum comentário