Clima seco nos EUA nos próximos dias sustenta cotações em Chicago

Publicado em 28/08/2013 10:05 e atualizado em 28/08/2013 16:13
3524 exibições

O mercado internacional de grãos operou com volatilidade na sessão desta quarta-feira (28). Mas a partir do meio do pregão de hoje  o mercado se manteve focado na previsão de clima quente para o cinturão produtor nesta semana. De qualquer forma, para as duas próximas semanas são esperadas algumas chuvas para as regiões produtoras do meio oeste. 

As cotações futuras da soja voltaram a operar do lado positivo da tabela e, por volta das 15h (horário de Brasília), as principais posições da commodity registravam altas entre 2 e 19 pontos na Bolsa de Chicago. Os futuros do milho trabalham em campo misto e, apenas, o contrato setembro/13 exibe se mantém no azul. Já as cotações do trigo, exibem leves ganhos entre 1,25 e 2 pontos. 

O consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting, explica que a tensão envolvendo a Síria pesa sobre os mercados. E diante da possibilidade de um ataque militar de potências ocidentais contra o país, os investidores buscam aplicações menos arriscadas como as ações. “Os investidores buscam ativos de maior liquidez a longo prazo, como, por exemplo, o ouro”, diz o consultor. 

Em contrapartida, o clima quente e seco nos Estados Unidos permanece sendo um fator de suporte aos preços futuros na CBOT, apesar da atualização dos mapas climáticos indicando temperaturas mais amenas e maior umidade em algumas regiões produtoras dos EUA ainda esta semana. Segundo analistas, as possíveis precipitações podem aliviar as condições das lavouras, mas ainda não seriam suficientes para resolver a situação.

“Mas se o clima não mudar nos próximos 10 dias, os preços da soja podem trabalhar em patamares mais altos. A expectativa é que as cotações trabalhem entre US$ 13,50 e US$ 14,00/bushel”, afirma Brandalizze. 

Ainda nesta quarta-feira (28), o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) reportou a venda de 120 mil toneladas de soja em grão para a China. O volume deverá ser entregue na temporada 2013/14. 

Tags:
Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário