Soja: Sem novidades, preços operam em campo misto em Chicago

Publicado em 05/05/2014 12:38 1361 exibições

Os preços futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) operam em campo misto nesta segunda-feira (5). À espera de novidades, as cotações da commodity trabalham com volatilidade, oscilando entre os dois campos da tabela. Por volta das 11h48 (horário de Brasília), as primeiras posições exibiam quedas entre 1,75 e 2,50 pontos e os demais contratos registravam ganhos entre 0,74 e 3,75 pontos.

Frente ao cenário de fundamentos positivos e já conhecido pelos investidores, o mercado aguarda novas notícias que possam impulsionar os preços da oleaginosa. Nesta segunda-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulga dois relatórios importantes e que devem influenciar as cotações. 

O primeiro é o boletim de inspeções para exportação na semana e no final da tarde o relatório de acompanhamento de safras, que irá indicar a evolução do plantio da safra 2014/15 nos EUA. Até o último dia 27 de abril, a semeadura do grão tinha alcançado 3% da área projetada, contra a média dos últimos cinco anos de 6%.

De acordo com o analista de mercado da Cerrado Corretora, Mársio Antônio Ribeiro, a expectativa do mercado é que o percentual plantado tenha evoluído bem durante a última semana, especialmente no final de semana. As previsões climáticas apontavam para temperaturas mais altas e clima seco em partes do cinturão produtor de grãos dos EUA. 

Do lado fundamental, o analista afirma que boa parte da demanda internacional tem sido direcionada para o mercado brasileiro. Com isso, no mês de abril, as exportações brasileiras apresentaram um crescimento de 50% em relação ao mesmo período do ano passado, com 8,250 milhões de toneladas, volume recorde. 

“Consequentemente, temos uma menor pressão no mercado norte-americano, o que sugerir um auxílio nessa pequena queda de hoje. Entretanto, esses são movimentos pontuais, a oferta continua abaixo da demanda e o país tem exportado bastante e o ritmo de esmagamento no país é alto”, explica o analista de mercado.

Diante desse quadro, a expectativa é que os preços da commodity se mantenham acima dos US$ 15,00 por bushel, conforme ressalta Ribeiro. Porém, para registrar novas elevações são necessárias novas variáveis no mercado internacional de grãos. Ainda na visão do analista, notícias de clima nos EUA ou até mesmo uma elevação da demanda chinesa, são fatores que poderiam alavancar as cotações futuras da soja.

“A China pode voltar as comprar para fazer estoques, situação que pode sustentar os preços. A expectativa é que a nação asiática retorne ao mercado na primeira quinzena de maio”, acredita Ribeiro. 

Tags:
Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário