MT inicia colheita da soja precoce, mas chuvas constantes preocupam produtores

Publicado em 22/12/2016 15:26
3430 exibições

Colheita de soja em Vila Rica (MT), na Fazenda Bom Descanso

Colheita de soja em Vila Rica (MT), na Fazenda Bom Descanso

Em Mato Grosso, alguns produtores rurais iniciaram a colheita da soja precoce da safra 2016/17. Os trabalhos nos campos já ocorreram nas região de Vila Rica e Confresa. Com uma área cultivada próxima de 9,3 milhões de hectares e uma produtividade média estimada em 54,05 sacas por hectare, a perspectiva é que sejam colhidas mais de 30 milhões de toneladas  nesta temporada no estado, conforme último levantamento realizado pelo Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária).

Já há relatos de trabalhos de campo iniciados no Nordeste de Mato Grosso, os quais foram, porém, interrompidos nos últimos dias pelo excesso de chuvas. O problemas já havia sido sinalizado para áreas onde o plantio este ano aconteceu mais cedo, logo após o término do período de vazio sanitário. Dessa forma, a colheita da safra 2016/17 se inicia no Brasil bem mais cedo do que nas temporadas anteriores. 

Na região de Lucas do Rio Verde, os trabalhos de colheita deverão ter início na primeira semana de janeiro, segundo explica o presidente do sindicato rural, Carlos Simon. "A soja precoce, com ciclo de 90 dias e cultivada logo após o vazio sanitário, que terminou no dia 15 de setembro, deverá começar a ser colhida perto do dia 6 de janeiro. A expectativa é que tenhamos produtividade média entre 52 a 55 sacas do grão por hectare", completa.

Colheita de soja em Vila Rica (MT), na Fazenda Bom Descanso

Colheita de soja em Vila Rica (MT), na Fazenda Bom Descanso

Da mesma forma, em São José do Xingu, a colheita da variedade precoce também deverá começar a partir do 5 de janeiro. "Apesar das chuvas frequentes, o sol tem aparecido. Então, acreditamos que teremos algumas janelas para realizar a colheita. E, se o clima continuar assim, podemos colher até 65 saca de soja por hectare", destaca o produtor rural da região, Paulo Egídio. 

Porém, Simon ainda reforça que, os produtores estão atentos às previsões climáticas, que ainda indicam chuvas para o estado. "As chuvas têm sido constantes na nossa região e esse fator já começa a preocupar os produtores e a atrasar as aplicações de fungicidas nas lavouras", destaca Simon. 

Com dois casos de ferrugem asiática confirmados em lavouras comerciais no estado, os agricultores realizam o monitoramento das plantações. De acordo com informações do consórcio antiferrugem, o primeiro foco da doença foi registrado em União do Sul no início de dezembro e o segundo em Primavera do Leste, no último dia 15.

Consórcio Antiferrugem atualizado

Mapa do Consórcio Antiferrugem

Na região de Campo Novo do Parecis e Tangará da Serra, os trabalhos já deverão ser iniciados na próxima semana, caso as condições de clima contribuam. "O tempo precisa abrir na semana que vem para colocarmos as tarefas em dia", diz o consultor agronômico Paulo Assunção, da PA Consultoria Agronômica, relatando que as chuvas na localidade não têm dado uma trégua aos produtores. 

E em função do tempo, há algumas preocupações principais entre os sojicultores. A primeira delas é a falta de luminosidade necessária para as plantas neste momento, onde toda sua energia é dedicada para a formação e o enchimento de grãos. "Esse é um momento crítico", diz. 

Onde as lavouras estão quase prontas para serem colhidas, a atenção ao clima é redobrada, uma vez que, com as precipitações a colheita não pode ser iniciada e as lavouras começam a perder qualidade, as vagens começam a abrir e os prejuízos podem ocorrer. 

Além disso, as condições dos últimos dias também preocupam, como explica Assunção, dada a paralisação nas aplicações dos fungicidas. "Há uma semana que as aplicações estão paradas por conta das chuvas e, nesse momento, as condições são ideais para a incidência de doenças, principalmente a ferrugem", diz. 

Previsão do Tempo

Segundo informações da Climatempo, os próximos dias - até 27 de dezembro - ainda serão de chuvas em Mato Grosso, com volumes que poderiam chegar a algo próximo de 100 mm. 

Figura 2

Figura 3

Safra do Brasil

O último levantamento da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), reportado no início de dezembro, estima a safra brasileira de soja em 102 milhões de toneladas, um crescimento de 7,3% em relação à safra 2015/16, quando foram colhidas 95,4 milhões de toneladas. 

Tags:
Por:
Carla Mendes e Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário