Aprosoja Brasil pede adiamento das parcelas de produtores atingidos pela seca e propõe securitização

Publicado em 15/01/2019 18:30 e atualizado em 15/01/2019 23:21
250 exibições

Dirigentes da Aprosoja Brasil e da Aprosoja Paraná solicitaram ao Ministério da Agricultura o adiamento para 2020 das parcelas a serem pagas em 2019 dos planos de operações de investimento financiadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A solicitação foi feita nesta terça-feira (15/1), em Brasília, à ministra Tereza Cristina e ao secretário executivo Marcos Montes.

A medida tem o objetivo de oferecer melhores condições de pagamento aos produtores em decorrência da seca que atinge diversas regiões produtoras de estados como Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia desde meados de dezembro do ano passado.

Participaram da visita o presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz Pereira, o presidente da Aprosoja Paraná, Márcio Bonesi, e o vice-presidente da entidade estadual, José Sismeiro.

aprosoja no MAPA

Foto: Renata Caixeta

No ofício entregue à ministra Tereza Cristina e ao secretário executivo, a Aprosoja Paraná argumenta que a medida pretende evitar a inadimplência dos produtores.

“Alguns produtores não conseguirão cobrir os custos operacionais e assim poderão ficar inadimplentes quanto aos contratos celebrados anos atrás. Deixamos claro que o pedido de adiamento poderá ser acrescido dos juros e taxas que foram estabelecidas em contrato”, destacou Márcio Bonesi.

Endividamento

De acordo com Bartolomeu Braz Pereira, o endividamento no campo foi outro tema debatido durante o encontro.

“O setor agrícola precisa de uma securitização. Os juros estão muito altos. Há pouco crédito disponível e o produtor se afogou. Na crise hídrica a situação piorou ainda mais. Poucas áreas são seguradas e financiadas. Isso vai afetar mais de 80% dos produtores brasileiros”, destacou o presidente da Aprosoja Brasil.

Segundo o dirigente, ofertar um seguro agrícola amplo é uma prioridade para todo o setor. “O seguro agrícola atualmente cobre pouco mais de 14% das áreas utilizadas na agricultura. Os produtores terão muita dificuldade para saldar os custeios para este ano. Os custos estão muito elevados e os preços das commodities muito baixos no mercado externo. Precisamos alongar o custeio para que o produtor possa continuar na atividade”, reforçou o presidente.

Ministério corta previsão de valor da produção agropecuária do Brasil em 2019

SÃO PAULO (Reuters) - O valor bruto da produção agropecuária do Brasil (VBP) deve alcançar 581,6 bilhões de reais neste ano, projetou nesta terça-feira o Ministério da Agricultura, em um corte ante a estimativa anterior, mas ainda assim cerca de 2 por cento acima do registrado em 2018.

Em dezembro, a pasta projetava, de modo preliminar, um VBP de 584,6 bilhões de reais em 2019.

A redução ocorre após lavouras de soja do país, principal item da pauta de exportação brasileira, serem prejudicadas pelo tempo quente e seco, em especial nos Estados de Mato Grosso do Sul e Paraná.

Entretanto, graças "à melhoria da pecuária, que mostra crescimento em quase todas suas atividades", o VBP em 2019 deve ser 2,1 por cento superior ao de 569,8 bilhões de reais do ano passado, que, por sua vez, ficou aquém dos 582,3 bilhões de 2017.

Segundo o Ministério da Agricultura, os produtos que deram maior sustentação ao VBP no ano passado foram algodão, café e soja, embora cana-de-açúcar e milho também tenham se destacado por "expressiva participação no valor gerado".

Os valores da produção de algodão e de soja, por sinal, foram os maiores registrados na série iniciada em 1989, destacou o ministério. O Brasil colheu um recorde de 120 milhões de toneladas de soja em 2017/18.

Ao contrário do esperado para 2019, o ano que passou não foi favorável para a pecuária, que teve redução de valor em suas principais atividades, como carne bovina, frango, carne suína, leite e ovos. Preços internacionais e retração do consumo interno estão associados a esse desempenho, analisou o coordenador-geral de Estudos e Análises da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, José Garcia Gasques.

Do VBP total de 2018, 383,9 bilhões de reais vieram das lavouras e 186 bilhões da pecuária.

 

 

Tags:
Fonte: Aprosoja Brasil/Reuters

Nenhum comentário