Enchentes interrompem embarques de fertilizantes em novo baque para agricultores dos EUA

Publicado em 25/04/2019 21:12
543 exibições

CHICAGO (Reuters) - A fornecedora agrícola CHS possui dezenas de barcaças carregadas presas em uma cheia do rio Mississippi próximo a Saint Louis, a cerca de 500 milhas dos dois terminais de distribuição da empresa em Minnesota.

As barcaças não conseguem se mover --ou levar nutrientes cruciais a agricultores de milho para a temporada de plantio da primavera-- por conta dos bloqueios no principal rio escoador de grãos e fertilizantes dos Estados Unidos, que conta com fechamentos há semanas. O alto nível da água representa perigo a barcos, barcaças e eclusas.

As ferrovias também foram afetadas por atrasos causados pelo clima de inverno e por enchentes no Meio-Oeste do país, atrapalhando ainda mais as cadeias de fornecimento agrícola no cinturão dos cereais.

Os problemas no transporte são a mais recente dor de cabeça para um setor que enfrenta anos de lucros decadentes e a guerra comercial entre EUA e China, ameaçando um corte no número de acres de milho e trigo que podem ser cultivados neste ano.

Os atrasos nos embarques dão sequência a meses de tempo ruim no Meio-Oeste rural, no que se inclui um "ciclone bomba", que alagou ao menos 1 milhão de acres (405 mil hectares) de terras agrícolas no mês passado, e uma temporada recorde de nevascas em abril.

"Nossas barcaças no Meio-Oeste estão muito longe de onde precisamos que elas estejam", disse Gary Halvorson, vice-presidente sênior de agronomia da CHS. "E realmente não acreditamos que qualquer linha ferroviária esteja entre os serviços preferidos até o verão."

Varejistas agrícolas dependem de barcaças e trens para o reabastecimento dos armazéns de distribuição em todo o cinturão. A inundação do rio, porém, atrasou a reabertura sazonal dos trechos norte do rio Mississippi para o tráfego de barcaças. As últimas previsões do Serviço Nacional de Meteorologia para o rio sugerem que uma de suas eclusas ao sul poderia permanecer fechada pelo menos até a primeira semana de maio.

Capital do Canadá, Ottawa declara estado de emergência com elevação das águas

MONTREAL/OTTAWA (Reuters) - A elevação do nível da água provocou novas retiradas de moradores na parte central do Canadá, nesta quinta-feira, e o prefeito de Ottawa, capital do país, declarou estado de emergência, enquanto em Québec as autoridades alertaram para o risco de rompimento do reservatório de uma hidrelétrica.

O prefeito de Ottawa, Jim Watson, declarou a emergência diante da elevação do nível do rio Ottawa e da previsão de chuvas fortes para sexta-feira. Em um comunicado publicado no Twitter, Watson pediu ajuda do governo provincial de Ontário e dos militares do país.

Ele alertou que “os níveis de inundação previstos atualmente superam os níveis que causaram danos significativos a diversas propriedades na cidade de Ottawa em 2017”.

Até as 13h desta quinta-feira, as chuvas de primavera haviam causado a morte de uma pessoa e forçado mais de 900 a saírem de suas casas na província de Québec, de acordo com o site do governo.

A previsão de mais chuva para as próximas 24 ou 48 horas causou mais preocupação nesta quinta-feira com a barragem de Bell Falls, no oeste de Québec, que pode estar sob risco de rompimento devido ao elevado nível da água.

A polícia da província de Québec disse que, até esta quinta à tarde, 250 pessoas foram retiradas de suas casas na área como medida de prevenção para o caso de rompimento da barragem no rio Rouge. O reservatório encontra-se em sua capacidade máxima de escoamento, segundo a estatal responsável pela administração do local.

Tags:
Fonte: Reuters

0 comentário