Após disparadas, soja recua na terça, e hoje preços voltam a subir na CBOT

Publicado em 22/09/2010 08:13 e atualizado em 22/09/2010 09:00
602 exibições
Na sessão noturna desta quarta-feira (22), a soja já aproveita a subida do trigo na Bolsa de Chicago para corrigir e reverter as perdas recentes.
A ausência de novidades consideradas positivas para os preços interrompeu um movimento de altas expressivas iniciado na sexta-feira e abriu espaço para a queda das cotações da soja ontem na bolsa de Chicago. Para traders consultados pela agência Dow Jones Newswires, a retração pode ser classificada como uma consolidação de posições, em um mercado que segue em elevado patamar.

Os contratos futuros com vencimento em janeiro de 2011, que atualmente ocupam a segunda posição de entrega (normalmente a de maior liquidez) em Chicago, encerraram a sessão de terça-feira negociados a US$ 10,90 por bushel, perda de 16,25 centavos de dólar.

Ainda que o movimento altista não tenha sido capaz de romper a barreira dos US$ 11, cálculos do Valor Data mostram que a segunda posição já apresenta valorização de 7,92% neste mês, o já que tornou positiva a variação acumulada em 2010 (3,96%). Nos últimos 12 meses até ontem, há alta de 18,61%, o que favorece os exportadores brasileiros mas tende a ampliar a pressão dos alimentos nos índices inflacionários - no Brasil e em outros países.

Estreitamente ligada à forte demanda chinesa, ainda que também vinculada aos efeitos do clima sobre a atual safra dos Estados Unidos, esta sustentação das cotações da soja desafia as estimativas dominantes sobre o quadro mundial de oferta e demanda nesta safra 2010/11, que no Hemisfério Norte está sendo colhida e que no Hemisfério Sul começa a ser plantada.

Mesmo levando em consideração que o fenômeno climático La Niña costuma provocar problemas sérios às produções do sul da América do Sul - e, neste caso, as previsões de oferta na região poderão ser revisadas para baixo -, a revista alemã "Oil World" voltou a projetar uma produção global, ainda que menor que em 2009/10, superior à demanda em 2010/11. De acordo com relato da agência Reuters, a colheita global, conforme a publicação, será de 258,9 milhões de toneladas, ante uma demanda de 256,4 milhões.

Na sessão noturna desta quarta-feira (22), a soja já aproveita a subida do trigo na Bolsa de Chicago para corrigir e reverter as perdas recentes.

O vencimento novembro, às 8h22 (horário de Brasília) trabalha a US$10,88/bushel, ganhando 8,50 cents e o maio, referência para nossa safra tem alta de 7,50 cents, operando a US$11,07.

O trigo para dezembro sobe 9,75 cents, cotado a US$7,27/bushel. O vencimento maio vale US$ 7,65, com alta de 7,75 cents.
Tags:
Fonte: Valor Econômico + Redação NA

1 comentário

  • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

    Vejam o que acontece quando o orgão responsavel pelo acompanhamento da demanda não diz a versdade.No Brasil a conab não alertou o mercado sôbre a falta do feijão a conab é o nosso usda.agora Até 30 dias atraz tinhamos feijão ,hoje os preços duplicaram e vão duplicar novamente,e o feijão vai SUMIR.cadê o estoque de passagem? Se tivessem alertado os preços tinham ajudado a conter a demanda e teríamos feijão até a nova safra e em grande quantidade.Assim será com a soja ,de repente um dia dirão A SOJA SUMIU. e pronto.Nem o consumidor a terá ,nem os produtores poderão suprir de imediato.Só querro com isso alertar meus pares produtores de soja e cereais ,nos roubaram dois anos de preços ,alguém vai nos pagar,pena que não serão os proprios..

    0