Sojicultor de MT terá recomposição de margem

Publicado em 23/11/2010 06:45 398 exibições
Redução de custos e elevação de preços da soja no mercado internacional vão dar boa margem líquida operacional para os produtores de Mato Grosso.

Em Primavera do Leste, a receita líquida poderá atingir R$ 782 por hectare, tomando como base os custos de produção de maio e projeções de preços para março de 2011. Na safra anterior, foi de apenas R$ 103.

A informação é do Cepea, que pesquisou preços e custos nas regiões de Sorriso, de Primavera do Leste e de Rondonópolis (todas em MT).

Do lado dos custos, a desvalorização do dólar permitiu a compra do adubo da temporada atual e dos defensivos agrícolas a preços mais favoráveis.

Do lado dos preços, a valorização da soja no mercado internacional tem compensado a perda de competitividade da oleaginosa com o fortalecimento do real.

Para a safra 2010/11, foram tomados os preços médios dos insumos em maio deste ano e, quanto aos preços de venda, a média FOB Paranaguá para embarque em março de 2011 calculada pelo Cepea ao longo de outubro.

Sob essas referências, o custo médio operacional da soja na região de Sorriso na safra 2009/10 foi de R$ 1.258 por hectare. Com a produtividade na casa de 52 sacas por hectare e o preço médio de venda a R$ 25,10 por saca, a receita bruta foi de R$ 1.305 por hectare.

Dessa forma, a margem líquida operacional daquela safra foi de R$ 47,26 por hectare. Já na safra em curso, estimam-se custos de R$ 1.103 por hectare, produtividade também de 52 sacas e venda a R$ 32,69 por saca.

Se esses valores se confirmarem, o produtor teria redução de 12% nos custos e aumento por volta de 30% no preço de comercialização. A margem chegaria a R$ 597 por hectare.

Já na região de Rondonópolis, a receita líquida pode chegar a R$ 770 por hectare, contra R$ 210 há um ano.

Tags:
Fonte:
Folha de São Paulo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário