Pesquisa mostra novo perfil do sojicultor

Publicado em 28/07/2011 12:08 e atualizado em 29/07/2011 14:25 709 exibições
Informatizado e com alta escolaridade, produtor mantém gestão rural em família.
O perfil do sojicultor mato-grossense está mudando. Pesquisa realizada junto a produtores de soja de Mato Grosso indica um cenário de crescente informatização dos instrumentos de gestão das propriedades rurais, e de manutenção dos negócios na família. Os dados foram levantados no início do ano pela Vetor Pesquisas encomendados pela Aprosoja, que buscava traçar um raio-X do sojicultor estadual.  
 
Um dos destaques entre os resultados é o percentual de 49% das propriedades agrícolas em que o produtor já adota algum tipo de instrumento de gestão informatizado. Outro dado importante é que 33,3% dos agricultores do Estado têm curso superior ou pós-graduação.
 
“Esse novo perfil, mais tecnológico e qualificado, mostra como o sojicultor mato-grossense se adequou ao novo mercado mundial. Foi exatamente o investimento em conhecimento, tecnologia de produção e capacitação que levou o produtor a alcançar os índices de produtividade que temos hoje”, analisa o presidente da Aprosoja, Glauber Silveira da Silva.
 
A pesquisa mostra também que a administração da propriedade ainda é e deve se manter familiar, pois 50,2% dos sojicultores respondem diretamente pela gestão rural, sendo que em 34,3% dos casos, essa administração é compartilhada entre o produtor e familiares (filhos, cônjuge, irmãos, etc.). A administração familiar responde por 92,3% do total de entrevistas realizadas.
 
“O produtor hoje está consciente de que o agronegócio é estritamente ligado ao mundo tecnológico”, afirma o presidente do Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis, Alex Utida. De acordo com ele, o investimento em conhecimento e qualificação é necessário para realizar desde uma colheita em um período cada vez mais curto de tempo, até para saber como escolher e acessar linhas de crédito disponíveis no mercado. “Quem não acompanhar essa evolução tecnológica, ficará para trás”, assegura.
 
A pesquisa sobre o perfil do produtor de soja de Mato Grosso foi realizada de novembro de 2010 a janeiro de 2011 com 420 entrevistas. A metodologia usada foi o survey de opinião, com margem de erro de 4,6% e intervalo de confiança de 95%.
 
 
TENDÊNCIA DE DIVERSIFICAÇÃO
 
A pesquisa realizada pela Aprosoja no início do ano identificou que 32,6% dos sojicultores em Mato Grosso também trabalham com pecuária na propriedade. A diversificação de atividades é uma das características que marcam o modo de produção mato-grossense. É o caso do produtor Nelson Piccoli, de Sorriso.
 
Sojicultor há quase 30 anos, Piccoli mantém hoje em sua propriedade várias culturas, como milho e sorgo, além de tanques para piscicultura. A família toda participa da gestão da fazenda, indicando que a agricultura se manterá até à terceira geração. “Vim de Santa Catarina na década de 80 para aproveitar as oportunidades que Mato Grosso dava para o produtor rural. Meu primeiro contato com a agricultura foi quando adquiri parte de uma fazenda do meu irmão no interior do estado, e de lá para cá nos empenhamos em aprender mais para poder diversificar a produção e, com isso, crescer”, relembra.
 
Piccoli foi presidente do Sindicato Rural de sua cidade e hoje é diretor financeiro da Aprosoja e do Sistema Famato. De acordo com ele, a iniciativa de entidades rurais em fomentar o desenvolvimento profissional dos produtores tem contribuído muito para esse novo perfil de agricultor. “É o caso da Academia de Liderança, que nos ensina a pensar de forma estratégica”, observa.
Tags:
Fonte:
Aprosoja

0 comentário