Açúcar congestiona o Porto do Recife

Publicado em 10/02/2010 14:29 1268 exibições
O aumento da movimentação portuária está deixando menos trabalhadores disponíveis para operar os navios que serão carregados com açúcar ensacado no Porto do Recife. “A quantidade de serviço aumentou e o número de pessoas é o mesmo”, afirmou o gerente-geral do Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo) do Porto do Recife, José Antonio Falcão. Ontem, estava sendo movimentada a carga de quatro navios em Suape e cinco navios no Porto do Recife, sendo dois de açúcar ensacado.

“A escassez de mão de obra tem atrasado o embarque do açúcar ensacado e isso já trouxe prejuízos pelo menos a sete usinas nessa safra”, comentou o presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool de Pernambuco (Sindaçúcar), Renato Cunha. Desde segunda-feira, dois navios de açúcar esperam para atracar no Porto do Recife. A expectativa é que eles consigam começar a operar até amanhã.

O trabalho portuário tem uma legislação específica e só pode trabalhar nesse tipo de operação os que são indicados pelo Ogmo, que é uma espécie de administrador dos recursos humanos dos portos. O Ogmo tem um cadastro formado por 970 trabalhadores e uma média de 200 deles estão de licença médica.

Além da limitação da mão de obra, também não havia um berço disponível para atracação no Porto do Recife ontem.

No Porto do Recife, as operações de movimentação de carga estão mais rápidas e a estatal está conseguindo receber mais navios devido à conclusão da dragagem, o que ocorreu em dezembro último. “Registramos um aumento de 8% a 10% na quantidade de carga, comparando com janeiro de 2009”, disse o diretor de operações e engenharia do Porto do Recife, Hermes Delgado.

Somente o açúcar tipo VHP a granel, que passa pelo terminal açucareiro, movimentou 348 mil toneladas na safra 2009-2010 até janeiro passado, com a atracação de 22 navios. Na safra passada, foram 170 mil toneladas de açúcar embarcadas em nove navios até janeiro de 2009.

BRASÍLIA

O presidente do Porto do Recife, Sileno Guedes, e o diretor de operações, Hermes Delgado, terão extensa agenda hoje e amanhã, em Brasília. A programação inclui visita à Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Secretaria Especial de Portos (SEP) e Ministério da Pesca para acompanhar o andamento de convênios com as entidades. “Na Antaq vamos cobrar uma posição sobre o estudo de viabilidade para a implantação do projeto de Revitalização das Áreas Portuárias não Operacionais, que está na agência há dois anos e já se encontra em sua quarta versão”, observa Delgado. Só com a aprovação, a diretoria do porto poderá dar andamento ao projeto, que pretende arrendar os armazéns do 9 ao 17 para as atividades de turismo e lazer.

Fonte:
Jornal do Commércio

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário