MT: indústria em Nova Olímpia detém 40% da safra estadual de cana

Publicado em 30/04/2010 10:09 e atualizado em 07/03/2020 01:33 789 exibições
Com aproximadamente 40% de participação no mercado de Mato Grosso, a Usinas Itamarati localizada em Nova Olímpia (207 km de Cuiabá) pretende aumentar em 3,4% o volume de cana-de-açúcar na safra 2010/2011. A estimativa de produção apresentada pela empresa aponta que nesta temporada, que teve início no dia 1º de abril, serão processados 5,070 milhões de sacos de 50 quilos de açúcar, o equivalente a 253,5 mil toneladas do produto, e 300,272 milhões de litros de etanol, incluindo hidratado e anidro. Os resultados representam um aumento de, respectivamente, 11% e 6,2%.

Na safra 2009/2010, a Usinas Itamarati produziu 228,23 mil toneladas de açúcar e 282,7 mil litros de etanol. Essa transformação, segundo o diretor presidente da empresa, Sylvio Nóbrega Coutinho, é resultado dos investimentos aplicados em tecnologia no campo. Ele ressalta que as usinas do grupo conseguem abastecer, além de Mato Grosso, os estados de Rondônia, Acre, Amazonas, Pará e Amapá. "Na região mato-grossense temos 25% de participação no mercado geral de álcool e 40% no de açúcar". Quanto à produtividade, Coutinho ressalta que deve se manter em 85 toneladas por hectare, volume semelhante ao da temporada anterior (84,5 t/ha) e que representa alta de 54,5% ante a safra de 2005/2006, quando a produtividade alcançava 55,33 por hectares. Além da produção de açúcar e etanol, a Usinas Itamaraty também é geradora de energia elétrica, que é feita através do aproveitamento do bagaço da cana-de-açúcar. Conforme o balanço da empresa, nesta safra, a produção de energia será de 54,240 megawatt-hora (MWh). O diretor presidente da empresa explica que cerca de 22 MWh servem para o consumo próprio da unidade de Nova Olímpia e o restante é vendido para a concessionária de energia do município.

O fornecimento é mantido inclusive durante a entressafra. A energia elétrica é cogerada durante 11 meses. Além disso, ele destaca que a empresa tem capacidade de moer 28 mil toneladas de cana-de-açúcar por dia, com produção diária de 150 mil litros de etanol, 40 mil sacos de 50 kg de açúcar. Na unidade são 104,028 mil hectares de terras próprias, sendo 70 mil hectares cultivados. A empresa tem cerca de 2,5 mil empregados fixos, podendo chegar a 3,6 mil durante a colheita e plantio. Na safra passada, 75% da cana foi colhida de forma mecanizada e 25% manualmente. Para este ano, a intenção é ampliar os trabalhos das máquinas.

Fonte:
A Gazeta

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário