Após três meses de queda, venda de álcool nas usinas tem aumento de 17,8% de abril para março

Publicado em 13/05/2010 08:00 240 exibições
Após três meses em baixa, as vendas de etanol pelas usinas da Região Centro-Sul se recuperaram e totalizaram 1,85 bilhão de litros no mês de abril —alta de 17,8% em relação ao mês anterior, quando foram vendidos 1,57 bilhão de litros, segundo levantamento da União de Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). A venda de etanol hidratado (combustível) atingiu 1,32 bilhão de litros no mês passado, ante 1,06 bilhão em março.

De acordo com o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, o aumento é reflexo da maior competitividade do combustível e o crescimento da frota flex. Mas, apesar das vendas aquecidas, o preço do etanol deve continuar em patamares mais baixos —em Ribeirão o litro custa em média R$ 1,19 nas bombas e acumula quatro quedas seguidas. “Ainda não atingimos as vendas registradas no ano passado. Portanto, se forem mantidos os preços atuais do produto, a demanda deve crescer ainda mais nos próximos meses e ultrapassar os valores de 2009”, disse Rodrigues.

Segundo o diretor regional do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro), Oswaldo Manaia, é o preço do combustível —que é até 53% menor em relação à gasolina em Ribeirão— que o torna mais competitivo. “Os dois tem uma relação de vendas contrária nas bombas. Quando as vendas da gasolina caem, as do álcool sobem”, disse Manaia, que atribui essa movimentação ao aumento na frota de carros flex.

“Os motoristas podem escolher a opção mais barata.” O diretor disse que, hoje, as vendas de etanol representam 75% do total nos postos de Ribeirão. “No início do ano, com os preços mais altos, o álcool respondia por 70% e a gasolina por 30%.”

Para o engenheiro agrônomo Henrique Donizete Peres, 27 anos, que sempre abastece o carro com etanol, independente do preço, o combustível é a melhor opção por ser produzido na região e não prejudicar o meio-ambiente. “Mas ainda faltam ações para que o preço fique estável para o consumidor final.”

Já o corretor de seguros Dalmo Donizete Peres, 33, abastece com base nas contas. "Calculo, se compensar mais que a gasolina abasteço com etanol."

Aumento é de 32% na moagem

No primeiro mês de safra, a Região Centro-Sul moeu 58 milhões de toneladas de cana, um aumento de 32,2% em comparação com o mesmo período da safra anterior, quando foram moídas 43,9 milhões. A produção total de etanol cresceu 27,1%, de 1,8 bilhão de litros no primeiro mês da safra passada para 2,3 bilhões nesta safra. O etanol combustível teve aumento de produção em 15,6% no período, e chegou a 1,8 bilhão neste primeiro mês. Já o anidro (misturado à gasolina), cresceu 115%, com 452 milhões de litros produzidos. De acordo com o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, no mês de maio, esse tipo de etanol também deve terá alta na demanda por conta da volta da mistura de 25% na gasolina. A produção de açúcar também registrou alta no primeiro mês de safra, ante 2009. Ao todo, as usinas da Região Centro-Sul já produziram R$ 2,5 milhões de toneladas, um crescimento de 46,9% em relação ao primeiro mês da safra passada. (RS)

Os números

Consumo puxa produção maior

58 mi É o total de toneladas de cana-de-açúcar processadas no primeiro mês da safra atual na Região Centro-Sul

59,6% De toda a cana já processada nesta safra foi destinada à produção de etanol hidratado (combustível)

1,8 bi É o total de litros de etanol combustível produzidos durante a safra atual na Região Centro-Sul

1,3 bi É o total de álcool combustível vendido neste primeiro mês de safra pelas unidades produtoras da Região Centro-Sul

Fonte:
Gazeta de Ribeirão

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário