Demanda por açúcar e etanol permanecem aquecidas, safra da cana-de-açúcar no Centro-Sul evolui como esperado

Publicado em 20/07/2010 11:39 219 exibições
A moagem de cana pelas unidades produtoras da Região Centro-Sul do País atingiu 41,62 milhões de toneladas na segunda quinzena de junho, um crescimento de 4,90% em relação à quinzena anterior, quando foram processadas 39,68 milhões de toneladas. No acumulado desde o início da safra até o final de junho, a moagem totalizou 215,38 milhões de toneladas.

Segundo o Diretor Técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Antonio de Padua Rodrigues, “a evolução da moagem e da produção no Centro-sul, até o momento, ocorre dentro do esperado, dado o clima mais seco observado nos últimos meses”. No entanto, o crescimento observado até aqui vem sendo acompanhado por um avanço na demanda mundial por açúcar e na demanda doméstica por etanol, principalmente devido à expansão da frota flex, que em junho atingiu 10,55 milhões de veículos, acrescentou o executivo.

Rodrigues alerta que as condições climáticas que estão favorecendo o ritmo acelerado da moagem também podem antecipar o final da safra e afetar a produtividade agrícola do canavial no próximo ano.
Em junho, as vendas de etanol pelas unidades produtoras da Região Centro-Sul totalizaram 2,21 bilhões de litros, sendo 597,22 milhões de litros de etanol anidro e 1,61 bilhão de hidratado. Do total comercializado, 256,50 milhões de litros foram destinados ao mercado externo e 1,95 bilhão para o mercado doméstico. Apesar de ter um dia a menos em relação ao mês anterior, o volume de etanol destinado ao mercado interno em junho foi 1,00% superior ao observado em maio, quando o total chegou a 1,94 bilhão de litros.

O mercado de açúcar, por sua vez, tem apresentado intensa demanda internacional pelo produto brasileiro. Dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior-SECEX e compilados pela UNICA mostram que as exportações de açúcar em junho totalizaram 2,50 milhões de toneladas, valor muito próximo do recorde de exportação mensal de 2,55 milhões, registrado em setembro de 2009. No acumulado desde o início da safra, o volume exportado de açúcar alcançou 5,98 milhões de toneladas, crescimento 5,25% comparado com o mesmo período do ano anterior. Esse crescimento em termos de volume, aliado ao maior preço do produto exportado, propiciou um aumento de 54,43% no montante de divisas geradas com as exportações de açúcar na comparação da safra atual com a anterior.

“A nossa expectativa, baseada nos navios nomeados para carregamento, é de que o volume de açúcar a ser exportado em julho alcance cifra recorde. Vários países estão recompondo seus estoques e o Brasil se configura como o único player com potencial para exportar volumes significativos de açúcar, fato que explica a grande movimentação observada nos principais portos brasileiros,” explica Rodrigues.

Qualidade da matéria prima

A quantidade de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de cana na segunda quinzena de junho ficou em 142,81 kg de ATR, cifra 7,26% superior à observada no mesmo período de 2009 (133,15 kg de ATR).

No acumulado desde o início da safra 2010/2011, a concentração de ATR ficou em 128,33 kg por tonelada de cana, 3,35% superior aos 124,17 kg obtidos na safra anterior no mesmo período.

Mix de produção de açúcar e etanol

Do total de cana processada do início da safra até o dia 30 de junho, 43,94% foi destinado à produção de açúcar e 56,06% ao etanol. Na segunda quinzena de junho, a proporção da cana destinada à produção de açúcar alcançou 46,10%.

No acumulado desde o início da safra, a produção de açúcar chegou a 11,57 milhões de toneladas, e a de etanol alcançou 9,06 bilhões de litros, sendo 2,26 bilhão de etanol anidro e 6,80 bilhões de hidratado.

Na segunda quinzena de junho, a produção de açúcar totalizou 2,61 milhões de toneladas. Já a de etanol foi de 1,87 bilhão de litros, sendo 494,00 milhões de etanol anidro e 1,38 bilhão de hidratado.

Fonte:
Brasil Agro

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário