Adicional de etanol na gasolina dos EUA gera dúvidas

Publicado em 15/10/2010 09:31
357 exibições
A decisão da EPA (agência de proteção ambiental dos Estados Unidos) de permitir o aumento da mistura de 10% para 15% de etanol na gasolina do país deve demorar para ter consequências práticas.

O órgão anunciou anteontem que os proprietários de veículos fabricados a partir de 2007 poderão abastecer -não será obrigatório- com gasolina com o adicional de etanol.

A decisão foi tomada depois que testes comprovaram que a mistura não altera o funcionamento dos carros.

Com a medida, esperava-se expandir em 50% a demanda de etanol nos EUA, mas há dúvidas sobre a possibilidade de chegar a esse número. A regulação do combustível muda de Estado para Estado e haveria necessidade de fazer esse ajuste.

Como a nova mistura vale apenas para os carros produzidos a partir de 2007, os postos teriam de instalar uma bomba própria para o combustível com 15% de etanol.

Ainda que os proprietários de postos tenham disposição de arcar com os custos, a alteração deve demorar.

Preços

A adesão dos motoristas depende também da maior competitividade de preços nas bombas, que pode ser influenciada pelas oscilações na cotação de milho.
Apesar das dúvidas em relação à medida, o setor ligado ao etanol de cana-de-açúcar comemorou a decisão.

"Era uma coisa completamente esperada. A decisão está mais de um ano atrasada", declarou o representante-chefe da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar) na América do Norte, Joel Velasco.

A nova demanda pelo etanol reforça a pressão dos brasileiros e da indústria alimentícia americana em relação aos produtores de milho, hoje principais fornecedores do combustível nos EUA.

Isso porque, com um acréscimo de cerca de 27 bilhões de litros por ano, a parcela da produção do milho do país destinado às bombas ultrapassaria os 40%.

Esse nível impactaria a oferta do grão direcionada para ração de animais e aumentaria a conta de subsídios do governo para o etanol de milho -hoje, em cerca de US$ 6 bilhões ao ano.

Esses impactos negativos dariam força ao argumento do setor brasileiro contra a renovação de subsídios ao combustível americano, ainda neste ano.

O etanol de milho conta com um incentivo de US$ 0,45 por galão (R$ 0,20 por litro) e o correspondente brasileiro enfrenta sobretaxa de US$ 0,54 por galão (R$ 0,25 por litro).

"É um primeiro passo no rumo certo", aponta Velasco.
Fonte: Folha Online

Nenhum comentário