Importação de etanol pode atingir recorde

Publicado em 10/08/2011 07:40 264 exibições
A queda na produção de etanol no Brasil na atual safra, a 2011/12, pode fazer com que o país tenha de importar volumes recordes do biocombustível para atender à sua demanda por anidro, que é misturado à gasolina. A consultoria Datagro, que ontem revisou novamente para baixo a moagem de cana-de-açúcar no Centro-Sul, prevê que o país terá que trazer do exterior em torno de 1,49 bilhão de litros no atual ciclo, que vai até março de 2012. Na temporada passada, desembarcaram no país 455 milhões de litros de etanol.

A última vez que o Brasil importou volume semelhante foi em 1995, quando 1,417 bilhão de litros foram adquiridos no exterior. Na época, entre outras razões, havia risco de desabastecimento interno. Além disso, como hoje, os preços do açúcar estavam mais remuneradores, e as usinas maximizavam a produção do adoçante.

Nos três primeiros meses da atual safra - entre maio e julho - já entraram no país 308,11 milhões de litros de etanol. "O restante entrará ao longo deste ano até o início de 2012", diz o presidente da Datagro, Plínio Nastari.

Esse cenário se desenha no horizonte porque a produção de etanol deve ser ainda menor do que o estimado anteriormente. Nos cálculos da Datagro, será de 21,91 bilhões de litros, 3,47 bilhões de litros abaixo do produzido na temporada passada. Em relação à estimativa de junho da consultoria, a queda é de 880 milhões de litros.

As geadas que, em 27 e 28 de junho atingiram os canaviais do Centro-Sul, foram as principais responsáveis pela revisão recente, diz Nastari. A empresa prevê agora uma moagem de 517,36 milhões de toneladas de cana na região, 2,14% menor do que estimava em junho (528,72 milhões de toneladas) e 7,09% abaixo dos 556,88 milhões da safra passada.

Segundo Nastari, outras revisões para baixo ainda podem ser feitas nos próximos meses. Isso porque os atuais números ainda não contemplam os efeitos da geada do início deste mês.

Ele acredita, no entanto, que a tendência para o ano que vem é de uma importação menor de etanol. A expectativa é de que os preços do açúcar fiquem menos atrativos do que os do etanol, estimulando as usinas a um mix mais alcooleiro.

Mesmo maximizando a fabricação de açúcar, as usinas do Centro-Sul, que processam 89% da cana do Brasil, não conseguirão produzir tudo o que esperavam, segundo a Datagro. Em vez de 32,80 milhões de toneladas, como previsto em junho, a região deve fabricar um volume de 31,85 milhões de toneladas da commodity. Isso deve afetar as exportações do produto, diz Nastari, que tendem a recuar de 23,30 milhões de toneladas, segundo previsão de junho, para 22,35 milhões de toneladas. Em relação à safra 2010/11, os embarques podem cair 3,58%.

Beneficiada por um clima mais favorável, a região Nordeste deve moer mais cana do que no ciclo anterior, segundo a Datagro. A previsão é de 67,3 milhões de toneladas, ante as 64,5 milhões de toneladas do ciclo 2010/11. A entrada de Tocantins na estatísticas (com a usina de Pedro Afonso, da Bunge) e o aumento do volume de cana em Alagoas e na Bahia explicam a alta nordestina.

Fonte:
Valor Econômico

1 comentário

  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Sr. João Olivi, Celso Ming traz em um artigo, comentários sobre a (i)responsabilidade do governo em relação ao setor sucroalcooleiro. Cita : “ A atual relação de custos e preços está produzindo distorções também fora da cultura da cana e no setor sucroalcooleiro. Está também elevando o consumo físico da gasolina. Em 2010, foi 19 % maior do que o de 2009; nos primeiros seis meses de 2011, já foi 6,6 % maior. Por isso a Petrobrás, que em 2009 exportava excedentes de gasolina, está sendo obrigada a abastecer-se no mercado externo. No ano passado, importou 505,1 milhões de litros. Neste ano, essa importação pode subir 100 %. “ As noticias que têm destaque na midia são : “ IMPORTAÇÃO DE ETANOL PODE ATINGIR RECORDE “ ( NA , 10/07/11 )... E A IMPORTAÇÃO DE GASOLINA ? ?. O que está causando estas importações ?, Que medidas devem ser tomadas para diminuir essa dependência externa ?. As medidas (MULETA), redução de impostos e crédito fácil, que privilegiaram alguns setores, para que a “marolinha” não fizesse muitos estragos, está, agora, exigindo que : REDUZA OS IMPOSTOS E ABRA LINHAS DE CRÉDITO PARA QUE : “ INSTALE-SE MUUUUITAS FABRICAS DE MULETAS ! ! “. ....” E VAMOS EM FRENTE ! ! ! “ ....

    0