Clima chuvoso no sul do país diminui a fotossíntese na soja e compromete crescimento da planta

Publicado em 19/11/2015 17:51 2872 exibições
Tornado atinge Marechal Candido Rondon, no PR (por Folha de S. Paulo)

 

Tornado atinge cidade no Paraná, fere 20 e danifica 1.500 casas

Um tornado atingiu o município paranaense de Marechal Cândido Rondon (a 584 km de Curitiba) na tarde desta quinta-feira (19), por volta das 16h15. A cidade fica a cerca de 150 km de Foz do Iguaçu, na fronteira do Brasil com o Paraguai.

A prefeitura da cidade, de 51 mil habitantes, disse que ao menos 20 pessoas se feriram com a passagem do tornado, mas sem gravidade. Ainda segundo a administração local, 1.500 tiveram suas casas danificadas.

Alguns moradores conseguiram cobrir telhados danificados com lonas, mas foi montado um centro de acolhimento emergencial no centro de exposições da cidade para que famílias desabrigadas possam passar a noite.

Chove na região e a previsão meteorológica das primeiras horas de sexta é de chuva forte sobre a cidade.

TORNADO

De acordo com o Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná), pelos relatos e imagens dos estragos, o tornado é da categoria F1, em uma escala que vai de F0 a F5.

A estimativa é de que os ventos tenham sido de até 125 km/h.

Em vídeo feito pela Polícia Rodoviária Federal do Estado, é possível ver a tempestade em que o tornado se formou.

Não é a primeira vez neste ano que o Sul do país que um fenômeno do tipo provoca estragos. Em abril, parte do município de Xanxerê, no oeste catarinense, foi devastada por um tornado também da categoria F1. Duas pessoas morreram.

 

 

DE SÃO PAULO

 

Tags:
Fonte:
NA + Folha de S. Paulo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

2 comentários

  • João Alves da Fonseca Paracatu - MG

    Prezado João Batista, ontem eu havia comentado aqui que achei as fotos enviadas pelos internautas do Paraná meio amareladas..., o colega Paulo Rensi me informou que poderia ser pela idade das plantas, pelos rizóbios, mas eu continuo achando que é pela situação climática... e hoje o senhor comentou que nesta região aí do Sul do Paraná também as plantas estão com crescimento lento... O certo é que não estou daltônico... Estamos esperando sua vista a Paracatu (MG)..., o convite foi feito na época de sua decisão de rodar e mostrar o País, lembra?... Saudações mineiras ao senhor e toda sua equipe, uai!

    0
    • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

      É isso ,com certeza FOTOsintese. Sem luz nao temos sintese. Por ocasiao de evento coirmão do el nino ,o la nina , aqui em 2009 estimamamos uma perda de 15% de produtividade em função da diminuição da luz.

      0
  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Sr. JOÃO BATISTA OLIVI., assistindo ao seu vídeo sobre as chuvas no sul do PR entendi que: No Sul as chuvas constantes provocam dias nublados e prejudicam a fotossíntese no soja e, quanto ao milho, a lavoura que o senhor mostra está com desenvolvimento normal.

    HÁ CONTROVÉRSIAS!!...

    Sr. João, a maioria das plantas oleaginosas são aquelas que apresentam pelo menos 14 % de óleo nas suas sementes, são de metabolismo fotossintético C3, entre elas o amendoim, mamona, soja, feijão. Sabe-se que as plantas pertencentes a esse grande grupo sofrem interferências no seu metabolismo fotossintético nas variáveis, temperatura, saturação de luz. O seu ótimo ocorre em temperaturas entre 20-25ºC e, intensidades luminosas entre 400-500 micromoles de fótons/m2/seg.

    O milho já faz parte das plantas do grupo C4, cujo metabolismo fotossintético tem o seu ótimo na temperatura 30-45ºC e, na intensidade luminosa >2000 micromoles de fótons /m2/seg.

    Logo o milho é mais exigente que o soja quanto à luminosidade.

    ...."E VAMOS EM FRENTE" ! ! !....

    0
    • Marcelo Luiz Campina da Lagoa - PR

      Realmente estamos tendo muitos dias nublados aqui no oeste do Paraná. Mas não acredito que isso afetou o desenvolvimento da soja até agora. O que mais preocupa os agricultores são as doenças radiculares que prejudicaram o desenvolvimento inicial de variedades Intactas, principalmente. Aqui onde moro, muitas lavouras já estão em fase de enchimento de grãos( vagens com 20% de enchimento), e agora sim os dias nublados poderão influenciar negativamente a produção. Quanto ao fato de muitas lavouras jovens apresentarem coloração de verde menos intensa, ao meu ver isso é normal até os estádios v4-v5, quando os rizóbios ficam a pleno vapor. Outro fato que pode influenciar é o encharcamento do solo, que prejudica os rizóbios. Em ano de El Nino é preocupante a falta de iluminação solar. Mas o que vai tirar o sono de muita gente é que as variedades Intactas não suportam chuvas na colheita. Brotam no pé a abrem as vagens. Na última colheita , algumas variedades desta soja tiveram desconto de mais de 40% por grãos mofados.

      0