Produtores estão endividados em Balsas (MA) e planejamento da próxima safra de verão preocupa

Publicado em 01/07/2016 11:59 e atualizado em 01/07/2016 15:50
605 exibições
Diante da quebra severa na safra, produtores não têm recursos para quitar as parcelas de investimentos. Situação pode frear os investimentos na próxima temporada. Produtores esperam medida do Governo, como a prorrogação das dívidas. No milho, colheita está em andamento e registra produtividade próxima de 1 tonelada/ha. Bem abaixo do esperado pelos agricultores.

Após a quebra na safra de verão, os produtores de Balsas (MA) enfrentam outra dificuldade, o endividamento. Até o momento, os agricultores conseguiram negociar os contratos fechados anteriormente com as traders. Porém, a grande preocupação é em relação às dívidas junto do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

“E o banco não está sinalizando nada e a nossa preocupação é porque a entidade é a principal fornecedora de crédito aos produtores da região. Já tivemos uma reunião com o presidente da Aprosoja MA, Isaías Soldatelli e, estamos trabalhando em cima desse assunto, tentando uma emenda, uma medida para que haja a prorrogação das dívidas. Estamos em uma fronteira agrícola, então o investimento é maior”, explica o agricultor da região, Valério Mattei.

O agricultor ainda sinaliza que é um ano muito difícil aos produtores da região que precisam de uma medida urgente por parte do Governo. “Por enquanto, o planejamento da safra 2016/17 está sendo feito, porém, ainda não tem nada fechado ou com pagamento adiantado. Sem contar que os agricultores estão cautelosos em relação a novos investimentos”, destaca Mattei.

Além da soja, a produção de milho safrinha da região também foi bastante afetada pelo clima seco. A perspectiva era de uma colheita entre 4 a 5 toneladas do grão por hectare, mas muitos agricultores estão colhendo 1 tonelada por hectare, outros nem conseguiram colher. E os preços também recuaram, depois de ser negociada entre R$ 48,00 a R$ 50,00 a saca nos últimos dias, o valor já baixo para R$ 40,00/sc. 

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário