Operação Carne Fraca: Propina e carne estragada abalam mercados interno e de exportação do BR

Publicado em 18/03/2017 04:13 e atualizado em 20/03/2017 07:48
6080 exibições
Confiança dos consumidores internos e dos importadores pode ser abalada e comprometer acordos comerciais do Brasil, além de abalar um já fragilizado mercado do boi. Do ponto de vista moral, mais um impacto na conturbada cena política nacional.
Confira a entrevista de José Vicente Ferraz - Informa Economics FNP

Na manhã desta sexta-feira (17), foi deflagrada a operação Carne Fraca da Polícia Federal. Mais de mil agentes estão em seis estados brasileiros investigando corrupção e propinas entre fiscais agropecuários e empresas do agronegócio, com grandes frigoríficos no foco dessa operação.

O analista de mercado José Vicente Ferraz, da Informa Economics FNP, diz que a operação pode apurar o esquema de corrupção que atingiu o sistema de fiscalização. Ainda no início, a operação conta com prisões e condução coercitiva de vários técnicos fiscais que atuavam junto à indústria frigorífica. Situação é preocupante, pois pode ter reflexos bastante negativos tanto no consumo interno como nas exportações brasileiras.

O Brasil é o maior exportador mundial de carne de frango e o segundo maior de carne bovina. Portanto, este setor compõe uma parcela importante na economia do país e a reação dos clientes ainda é uma incógnita. O G1 Paraná divulgou que gravações telefônicas apontam que os frigoríficos estariam vendendo carne com data de validade vencida, em um esquema liderado por fiscais e empresários.

informações que a gente tem operação recém deflagrada, pode apurar esquema de corrupção que atingiu sistema de fiscalização. agora está sendo executada situação de prisão, condução coercitiva de vários técnicos fiscais que atuavam junto a indústria frigorífica e é uma situação preocupante pois pode ter reflexos bastante negativos tanto no consumo interno como nas exportações brasileiras.

Ferraz avalia que isso também pode refletir em um menor consumo por parte do mercado interno, o que irá gerar prejuízo não somente para as empresas, mas também para a economia do setor e do país. As ações da JBS e da BRF Foods já caíram mais de 5% nesta sexta, com investidores observando o risco iminente.

Informações de grampos telefônicos também identificam uma possível participação do atual Ministro da Justiça, Osmar Serraglio.

No Estadão:

PF diz que propina da Carne Fraca abastecia PMDB e PP

O delegado federal Maurício Moscardi Grillo afirmou nesta sexta-feira, 17, que parte do dinheiro arrecadado pelo esquema de corrupção envolvendo fiscais e maiores frigoríficos do País, descoberto pela Operação Carne Fraca, era abastecia o PMDB e o PP.
“Dentro da investigação ficava bem claro que uma parte do dinheiro da propina era, sim, revertido para partido político. Caracteristicamente, já foi falado ao longo da investigação dois partidos que ficavam claro: o PP e o PMDB”, afirmou.

Executivos do frigorífico JBS e da empresa BRF Brasil foram presos. O esquema seria liderado por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio. Segundo a PF, a operação detectou em quase dois anos de investigação que as Superintendências Regionais do Ministério da Pesca e Agricultura do Estado do Paraná, Minas Gerais e Goiás ‘atuavam diretamente para proteger grupos empresariais em detrimento do interesse público’.

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão

Nota oficial do ministro Blairo Maggi sobre a operação da PF

Diante dos fatos narrados na Operação Carne Fraca, cuja investigação começou há mais de dois anos, decidi cancelar minha licença de 10 dias do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O que as apurações da Polícia Federal indicam é um crime contra a população brasileira, que merece ser punido com todo o rigor.

Neste momento, toda a atenção é necessária para separarmos o joio do trigo. Muitas ações já foram implementadas para corrigir distorções e combater a corrupção e os desvios de conduta, e novas medidas serão tomadas. Estou coordenando as ações, já determinei o afastamento imediato de todos os envolvidos e a instauração de procedimentos administrativos. Todo apoio será dado à PF nas apurações. Minha determinação é tolerância zero com atos irregulares no Mapa.

Blairo Maggi
Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

NOTA OFICIAL da CNA

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA considera lamentável a denúncia de que alguns dos principais frigoríficos do país, com o apoio de uma rede de fiscais agropecuários do Ministério da Agricultura, estariam envolvidos num esquema de venda ilegal de carnes ao consumidor. As investigações fazem parte da Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal nesta sexta-feira, 17 de março.

Como representante dos produtores rurais, a CNA defende que os fatos envolvendo frigoríficos e fiscais agropecuários sejam apurados com rigor. E que, uma vez comprovados, possam levar à punição exemplar dos envolvidos.

Os produtores rurais têm dado uma grande contribuição ao desenvolvimento nacional. Geram emprego, renda e alimentos de qualidade para a população.  Portanto, não é justo que tenham a sua imagem maculada pela ação irresponsável e criminosa de alguns.

João Martins da Silva Junior
Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Nota - Anffa Sindical

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) apoia a operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal, nesta sexta-feira, 17, e reforça que a denúncia partiu do próprio Sindicato.

O Anffa Sindical entende que a operação está alinhada aos objetivos de auditores fiscais federais agropecuários no sentido de aprimorar a inspeção de produtos de origem animal no Brasil. A entidade acrescenta que as denúncias constam de processo administrativo que tramita no Mapa desde 2010.

O Anffa Sindical afirma ainda que vai continuar trabalhando para que cargos de chefia sejam ocupados por servidores públicos selecionados por meio de processos meritocráticos. Ou seja, por competência técnica, contribuindo para o fim de influências políticas.

Sobre os auditores fiscais federais agropecuários

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) é a entidade representativa dos integrantes da carreira de auditor fiscal federal agropecuário. Os profissionais são engenheiros agrônomos, farmacêuticos, químicos, médicos veterinários e zootecnistas que exercem suas funções para garantir qualidade de vida, saúde e segurança alimentar para as famílias brasileiras. Atualmente existem 2,7 mil fiscais na ativa, que atuam nas áreas de auditoria e fiscalização, desde a fabricação de insumos, como vacinas, rações, sementes, fertilizantes, agrotóxicos etc., até o produto final, como sucos, refrigerantes, bebidas alcoólicas, produtos vegetais (arroz, feijão, óleos, azeites etc.), laticínios, ovos, méis e carnes. Os profissionais também estão nos campos, nas agroindústrias, nas instituições de pesquisa, nos laboratórios nacionais agropecuários, nos supermercados, nos portos, aeroportos e postos de fronteira, no acompanhamento dos programas agropecuários e nas negociações e relações internacionais do agronegócio. Do campo à mesa, dos pastos aos portos, do agronegócio para o Brasil e para o mundo.

NOTA OFICIAL da FAEP

A Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), entidade que tem feito esforços no sentido de garantir a sanidade dos produtos agropecuários, repudia a ação criminosa de fiscais do Ministério da Agricultura (MAPA) e indústrias que manipulam produtos de origem agropecuária e que, felizmente, foram flagradas pela Policia Federal nesta sexta-feira (17).

Os produtores rurais fazem grande esforço no sentido de ter uma produção que atenda as boas práticas preconizadas e a segurança alimentar, para agora ver indústrias utilizando de suas matérias-primas de forma fraudulenta. Indústrias que deveriam estar ao lado do produtor rural e do consumidor na defesa da sanidade agropecuária.

Esperamos que a justiça seja feita e que pessoas envolvidas em operações fraudulentas e corruptas sejam investigadas e punidas, para que os bons produtores, que se esforçam na produção de alimentos, não sejam julgados e condenados pelas ações de integrantes de um elo da cadeia.

Corrupção em carnes ameaça contaminar acordo entre UE e Mercosul

GENEBRA - As revelações sobre a corrupção nos certificados de carne vão afetar as negociações entre o Brasil e a União Europeia para o estabelecimento de um acordo de livre comércio até o final do ano e ameaçam até mesmo as exportações atuais. Nesta sexta-feira, a Confederação Europeia de Produtores Agrícolas indicou ao Estado que está estudando os acontecimentos no Brasil e poderá pedir que a diplomacia europeia restrinja qualquer nova abertura comercial ao Brasil nesse setor.

Uma reunião entre o Mercosul e a UE está marcada para ocorrer no final deste mês, com o debate sobre as ofertas de liberalização entre as duas partes e principalmente a situação sanitária. No ano passado, os blocos apresentaram o que poderiam abrir em termos comerciais, com o Mercosul sendo pressionado a liberalizar o setor industrial, enquanto a Europa é solicitada a reduzir tarifas para as exportações agrícolas dos países sul-americanos.

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão

JBS confirma busca da PF em 3 unidades, mas diz que cumpre normas regulatórias

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A JBS confirmou nesta sexta-feia que a operação deflagrada pela Polícia Federal para desarticular uma organização que pagaria propina para a liberação de mercadorias sem fiscalização incluiu três unidades produtivas da companhia, mas afirmou que adota no Brasil e no mundo rigorosos padrões de qualidade.

A PF lançou nesta sexta-feira uma operação em seis Estados e no Distrito Federal com o objetivo de desarticular organização criminosa formada por fiscais agropecuários federais e cerca de 40 empresas, entre elas as gigantes JBS e BRF, acusados de pagamento de propina para a liberação de mercadorias sem fiscalização.

De acordo com o comunicado da JBS, foram alvo de busca duas unidades que ficam no Paraná e outra em Goiás. Na unidade da Lapa (PR), a empresa informou que houve medida judicial expedida contra um médico veterinário, funcionário da companhia, cedido ao Ministério da Agricultura.

A empresa informou que não há nenhuma medida judicial contra os seus executivos, bem como que sua sede não foi alvo dessa operação.

De acordo com a PF, as investigações da chamada operação Carne Fraca, a maior já realizada pelos policiais federais, apontaram que os fiscais recebiam propina para emitir certificados sanitários sem qualquer fiscalização efetiva. Um dos exemplos de fraude era o uso de substâncias capazes de ocultar odores de carnes estragadas que foram comercializadas.

A JBS afirmou no comunicado que adota no Brasil e no mundo rigorosos padrões de qualidade e destacou que possui diversas certificações emitidas por reconhecidas entidades em todo o mundo que comprovam as boas práticas adotadas na fabricação.

"A JBS e suas subsidiárias atuam em absoluto cumprimento de todas as normas regulatórias em relação à produção e à comercialização de alimentos no país e no exterior e apoia as ações que visam punir o descumprimento de tais normas", afirmou a gigante de alimentos em comunicado.

A empresa ainda afirmou que "repudia veementemente qualquer adoção de práticas relacionadas à adulteração de produtos, seja na produção e/ou comercialização".

Por volta do 12:00, as ações da companhia caíam quase 8 por cento na Bovespa.

(Por Paula Arend Laier)

Na Folha: Até merenda escolar teve carne adulterada, aponta Polícia Federal

Até mesmo a merenda escolar de estudantes da rede estadual do Paraná recebeu carne adulterada investigada na Operação Carne Fraca, deflagrada nesta sexta (17) pela Polícia Federal.

Os estudantes comeram salsicha de peru, na prática, sem carne, com substituição por proteína de soja, fécula de mandioca e carne de frango.

Foi com esse contrato, cujas suspeitas foram encaminhadas por um servidor do Ministério da Agricultura à PF, que começou a investigação.

Ao longo de dois anos de apuração, a PF identificou carnes adulteradas, com prazo de validade vencido e maquiadas com produtos proibidos por lei, em gôndolas de supermercados.

Leia a notícia na íntegra no site da Folha de S. Paulo

Na Exame: Frigoríficos vendiam carne vencida e frango com papelão

São Paulo – JBS e BRF, duas das cinco maiores exportadoras do país, reconhecidas como as maiores empresas de carne do mundo, exemplos de sucesso empresariais inegáveis e da pujança econômica do Brasil nas últimas décadas são, hoje, alvo da Operação Carne Fraca.

Além delas, outros frigoríficos, grandes e pequenos, como Big Frango e  Peccin, aparecem na decisão.

O nome escolhido pela Polícia Federal não poderia ser mais literal. A investigação revelou que as companhias usavam em suas operações carnes podres com ácido ascórbico para disfarçar o gosto, frango com papelão, pedaços de cabeça e carnes estragadas como recheio de salsichas e linguiças, além de reembalar produtos vencidos.

Leia a notícia na íntegra no site da Exame

Por: Carla Mendes e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

6 comentários

  • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

    Um dos grupos alvos da operação é também alvo da LAVA JATO. Colocaram R$ 330 milhoes nas campanhas de mais de uma centena de deputados..., isso não foi crime??!!!, são bonzinhos???..., investiram na democracia??!!!... Tenho a impressão que os pecuaristas não estão muito preocupados com a situação criada pela PF.

    0
  • Luiz de Santana Junior Aracaju - SE

    Com a operação "carne fraca" perdemos todos nós, brasileiros ... o poder de barganha dos compradores será enorme... , vamos precisar de alguns anos ou décadas para recuperarmos o terreno perdido; a curto prazo só se houver uma falta muito grande de proteína animal no mercado mundial, algo que não se vislumbra no momento atual. Ganham os nossos concorrentes, mas uma coisa é certa, os empresários do setor precisarão ser sinceros e transparentes com o consumidores, porque crime é crime e a Justiça tarda, mas não falha.

    0
  • Luiz Antonio Lorenzoni Campo Novo do Parecis - MT

    Com relação a operação "carne fraca", independente da torcida contra ou a favor, é importante salientar que a PF e o MPF não "fiscalizaram" todas as indústrias, pois se a operação fosse em TODAS as plantas, com certeza muitas apresentariam irregularidades. Enquanto o MAPA deter o monopólio das certificações e credenciamentos, os vigaristas prosperarão, justamente por deterem o selo de qualidade do órgão estatal. "Quando comprar ou vender se torna objeto de regulação, os primeiros a serem comprados são os reguladores". No Brasil, o que não falta são órgãos públicos e burocratas para regular e fiscalizar, tanto em instancias municipais, estaduais e federais, e nem órgãos públicos para investigar, julgar e punir. E onde eles estavam? Se não fosse um "fiscal" denunciar e depois de um "curto" espaço de tempo de investigações, estaríamos todos "deitados em berço esplendido". O prejuízo vai ser enorme e se tudo continuar como está, ou seja, na mão do estado e dos burocratas, virão mais regulações e fiscalizações e...propinas. Está na hora do setor produtivo, exigir menos regulações e menos estado. Em um mercado livre e concorrencial, os melhores produtos se estabelecem, em um mercado regulado e controlado pelo estado, só se estabelece quem tem maior poder de propina.

    3
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Excelente seu comentário Sr. Luiz Antonio Lorenzoni, fundamentou muito bem o que a maioria dos estatistas e jornalistas esquerdistas não dizem e não querem que ninguém diga. O que foi escrito por você é a mais pura verdade.

      1
    • RODRIGO RODRIGUES ALMEIDACACHOEIRA DOURADA - GO

      Somente a exoneração dos funcionários públicos envolvidos na operação carne fraca é muito pouco, tinham que responder civilmente pelo crime cometido. É caso de cadeia!!!

      0
    • DALZIR VITORIAUBERLÂNDIA - MG

      Quem sabe se acharem um tal de Helio..que atuava ou atua com produção e ou abate de perus em Uberlandia e Mineiros sai mais coelho da cartola...ouvi em roda de fofoca de motoristas...mas as vezes é fofoca..embora quando atuava junto a Perdigão aprendi a ouvir a classe...ficava-se sabendo de tudo o que se passava na empresa inteira...

      0
  • Martin Simeon Wanser Maracaju - MS

    Este é o maior desrespeito e falta de responsabilidde para com a cadeia produtiva. Um setor que gera riquezas e emprego desde o campo, empresas e comercio. Mais uma vez orgaos de fiscalizacao do governo, permitindo que tais ilegalidades sejam praticadas. Pecuaristas que envistiram na genetica, nos pastos e complementos minerais, na precocidade para obterem certificacao das melhores carnes do planeta. Plantas frigorificas modernas, automatizadas para trazer os mais diversos tipos de cortes e de forma higienica para atender a todos os consumidores. Certificacoes internacionais, visitas internacionais de fiscalizacao, acordos para jogar tudo no LIXO. Cadeia e pouco pra este tipo de atitude. E lamentavel que toda cadeia produtiva seja penalizada devido à conduta de alguns. Vai começar tudo de novo. Embargos para carnes brasileiras, suspensao de contratos.

    2
  • Jose C Salomão Campestre - MG

    Pois bem, acabaram com a pecuária brasileira. Agora chamem o Joao Batista Olivi, que espantou a Vilma de seu terreiro, quem sabe ele dá um jeito, pois na hora do golpe de estado, que pisou na Constituição e em 54 milhões de votos, estavam todos contentes. Não bastava o impeachment, que tudo iria se tornar uma maravilha? pois aí está. Divirtam-se senhores. Não queriam pagar o pato, distribuam sua carne podre.

    46
    • FERNANDO ENGLERPALOTINA - PR

      Que bom seria se o problema do Brasil se resumisse em Dilma e Lulla, Sr. Salomão... Cada um ao seu tempo, cairão todos... Estão desesperados, basta ver as ações precipitadas dos últimos anos... Teremos um tempo no Brasil em que conseguiremos mudar isso, de cabo a rabo, em que o PARTIDO DO BRASIL será vencedor contra essa sopa de letrinhas de partidos políticos que na verdade defendem os mesmos interesses pois são as cúpulas que definem os rumos... Nesse dia teremos leis decentes, que defenderão o homem de bem e não os esquemas e as falcatruas, mas para isso precisamos nos mobilizar e estamos fazendo isso... Serão tempos em que os envolvidos diretamente neste crime da carne terão PENA DE MORTE... #BOLSONARO2018...

      0
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Sr. JOSE C. SALOMÃO,... Como José? Você que tem em seu nome um nome bíblico e, no seu sobrenome, também, um nome bíblico "Salomão" e, que segundo a Bíblia foi um rei de muita sabedoria. Mais um motivo em refazer a pergunta: Como Salomão? ... Você foi para as bandas socialistas? ... Os seguidores mais extremistas, dizem que os "comunistas" comem as criancinhas! ... E você foi se bandear com essa turma!! ... Ei! Faz de conta que você pegou o ônibus errado, toque a campainha para o ônibus parar e, desça desse ônibus. Você não é um passageiro desse destino. Aproveite a dica, ainda dá tempo.

      1
    • MARCIO ALDIR GRAFMANOEL RIBAS - PR

      É sério que tu tá misturando o impeachment, com esse esquema dos frigorificos ???sabe a única coisa que os dois fatos tem em comum ??a corrupção, roubalheira, falcatrua...chame como quiser, mas "nunca antes na história desse país.." se teve tanto esquema como nos últimos 15 anos...coincidência ?? não..crime institucionalizado..

      2
    • CARLO MELONISAO PAULO - SP

      JOSE" C. ESCULHAMBAÇAO----MAIS UM EXEMPLO DE CARNE PODRE NA CABEÇA--

      3
    • CARLO MELONISAO PAULO - SP

      CONSIDERANDO OS VOTOS EM BRANCO OS 54 MILHOES DA DILMA SAO MENOS DA METADE

      2
    • CARLO MELONISAO PAULO - SP

      A MAIORIA DOS ESQUERDISTAS TEM A IDEIA DE ESTAR NA VANGUARDA,, MAS NA VERDADE VIVEM DO MOFO DE UMA IDEOLOGIA APODRECIDA

      2
    • SERGIO BERTOQUE DOS SANTOSBOM JESUS - PI

      Esse faz parte da maioria...de cada 10 brasileiro, 6 não tem educação, cultura, não idônios

      0
  • Wallace Stinguel Giorgette Baixo Guandu - ES

    *Infelizmente e o Brasil só da corrupção*

    0
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Achei que já tinha visto de tudo, mas vivemos no Brasil... O PAÍS DO ESPANTO !!! ... A cada dia, hora, minuto, segundo é um espanto. O país encerra em suas fronteiras potencialidades naturais, um povo trabalhador, mas os "escolhidos" para gerir as riquezas têm em seu DNA o "bichinho" que corrompe até o ar que se respira. Ainda bem que estamos dando uma guinada para caminhos menos tortuosos, tomara que não demore muito, pois há uma massa de 13 milhões querendo produzir. ... É urgente que os procedimentos que faz o sistema funcionar, também, seja oxigenado e aponte para o desenvolvimento sem falcatruas. ... E como diz um "senhorzinho": ...." E VAMOS EM FRENTE" ! ! ! ....

      0
    • FERNANDO ENGLERPALOTINA - PR

      Não se assuste Rensi, este é o Estado Comunista Brasileiro... Cadeias produtivas dominadas por monopólios e oligopólios... Estado enorme, burocrático... O resultado disso??? "O Estado cria dificuldades para depois vender facilidades"... Só temos uma solução, diminuir o Estado ao mínimo possível...

      0
    • DALMO HENRIQUE FRANCO SILVADOURADOS - MS

      Vamos ver se o governo toma medidas descentes depois dessa vergonha. É hora de regulamentar os produtos da roça, pois de que adianta proibir o produtor de vender queijo caipira e deixar a população sujeito a comer papelão. Tenho certeza que da roça não esse tipo de coisa para se comer, basta regras claras que o resto o produtor faz e faz bem.

      0
    • JOSE LUCIANO PEREIRAGOIÂNIA - GO

      È a hora de pensar em privatizar tudo, com seriedade não igual a telefonia que nós brasileiros estamos a merce das operadoras.

      0
    • FERNANDO ENGLERPALOTINA - PR

      Certo Sr. Pereira, bem isso... Porém temos que nos atentar para que as privatizações dividam as empresas e não façam igual o FHC e demais que concentraram as empresas e as colocaram nas mãos dos aliados políticos através de financiamentos do BNDES... Privatização em dinheiro vivo e dividindo as empresas estatais por planta... Todas elas...

      1
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      A muito tempo atras, ouvi que se usava jornal velho para "enchimento" de linguiças, pois o "enchimento" mais barato no mercado era jornal velho. Hoje o papelão, que é o constituído pelo mesmo insumo (celulose) está mais disponível no mercado, ou seja, muda-se os componentes, mas os princípios são os mesmos : LUCRO FÁCIL A QUALQUER CUSTO !!!

      0
    • JOSE LUCIANO PEREIRAGOIÂNIA - GO

      Perfeito Sr Fernando Engler, Eu só não comentei sobre o BNDS por ter a certeza que o rombo na Lava Jato é (PETROBRAS) trocado perto do BNDS.

      1
    • VICTOR ANGELO P FERREIRA VICTORVAPFNEPOMUCENO - MG

      Esta operação como diz aquele dirigente esportivo; É uma faca de dois legumes....Pois apura as irregularidades mas vai atingir o comércio responsável por 14 bilhões de dólares que é feito dentro das normas internacionais cuja fiscalização tem a participação dos países compradores...Garanto que se fosse em outros países, seria feito uma apuração sigilosa com os mesmos resultados desta operação, sem prejuízos óbvios que poderão vir pelo estardalhaço ocasionado por estas notícias...

      0
    • VICTOR ANGELO P FERREIRA VICTORVAPFNEPOMUCENO - MG

      O problema é que a saúde está acima do lucro, então o BR entrou num beco sem saída...

      1