La Niña não está descartado e pode ser problema para a próxima safra de verão na metade Sul do Brasil

Publicado em 16/02/2017 16:03 e atualizado em 17/02/2017 11:18
8413 exibições
Condições climáticas para safrinha de milho são favoráveis. Previsões de chuvas abaixo da média em algumas regiões não afetariam produtividade
Confira a entrevista de Luiz Carlos Molion - Climatologista

Podcast

Confira a entrevista de Luiz Carlos Molion - Climatologista

Download

Download

O climatologista Luiz Carlos Molion, que anteriormente previu o atraso das chuvas no Matopiba e o veranico ocorrido durante o mês de janeiro, destaca agora a a situação de excesso de chuvas no Mato Grosso, o que vem atrasando o andamento da colheita no estado.

De acordo com Molion, as chuvas são resultado de uma massa de ar frio proveniente do inverno rigoroso no norte dos Estados Unidos e no Canadá que, quando carregada para o norte da África, perturba os ventos do leste que, por sua vez, vêm para a costa do Brasil. Além disso, há também uma massa de ar frio entrando pela Colômbia e pela Venezuela. Esses fatores, somados, justificam o excesso de chuva na parte norte do Brasil.

A tendência, daqui para a frente, é que chova menos na região do Mato Grosso. Ele lembra que esse período é tradicionalmente chuvoso no estado e que é possível que a situação persista, mesmo que de forma irregular, enquanto persistir o inverno americano rigoroso.

As atenções, no entanto, devem se voltar para a safra de verão. Molion prevê que o La Niña poderá voltar a se intensificar a partir de agosto e setembro, em função de uma aceleração dos ventos que deve trazer correntes frias para a superfície do Oceano Pacífico . A previsão também é feita com base na similaridade em relação a mapas de 1999, considerando os padrões de anomalia de precipitações.

Se isso ocorrer, um excesso de chuva poderá se apresentar nas regiões do Nordeste e em parte do Centro-Oeste, nos estados de Goiás e do Tocantins. Para o Sul e o Sudeste, a situação deve ser de seca, típica do La Niña - logo, essas regiões podem ter atraso em suas estações chuvosas, o que poderia trazer alguns prejuízos e preocupações para a agricultura nessas áreas.

Para o milho safrinha, o clima não deverá apresentar problemas. O tempo mais seco a partir de maio nas principais regiões produtoras auxilia para que as máquinas possam entrar e colher "sem problemas", como destaca Molion. Segundo ele, uma situação mais difícil viria com o excesso de chuvas, já que as áreas terão um bom acúmulo de umidade no solo.

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

12 comentários

  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Sou um seguidor do Dr. Molion. Respeito os que são contrários... Agora, lanço um desafio aos que estão menosprezando o climatologista. É uma pergunta simples: Qual a diferença entre clima e tempo? RESPOSTA: A previsão do tempo é determinado por mudanças momentâneas na atmosfera e tem efeito a curto prazo, enquanto o clima é estabelecido através da média da temperatura do tempo ao longo de muitos anos. Ou seja, ele é moldado por forças globais que alteram o equilíbrio da atmosfera a longo prazo... O que o climatologista Luiz Carlos Molion expõe em sua entrevistas, são as previsões do clima e não do tempo.
    Nos comentários os termos "El Niño e La Niña" estão familiarizados com aqueles que têm escrito sobre o assunto. O que mais assusta é que acreditam numa noticia de um órgão da ONU de que o "El Niño" pode retornar... Gostaria que o climatologista Molion nos esclarecesse se isso é possível, pois esses fenômenos são o aquecimento e resfriamento das águas do Oceano Pacífico.

    10
    • PAULO DRAGONUBIRETAMA - RS

      Ele pode ter acertado todas as previsões antes, mas essa ele errou ponto final.

      0
    • FERNANDO BARTHJARI - RS

      Eu fiz comentários referente a previsão de la Nina que Molion

      0
    • ALEXSANDRO PEIXOTO LEOPOLDINOCANARANA - MT

      Zidane errou um pênalti, algo bem mais previsível e ainda sim continuou sendo tratado como um craque.

      1
    • ALEXSANDRO PEIXOTO LEOPOLDINOCANARANA - MT

      Agora tem gente que por ignorância acha que existe mãe Diná....

      1
    • ALEXSANDRO PEIXOTO LEOPOLDINOCANARANA - MT

      Rsrsrd

      0
    • FERNANDO BARTHJARI - RS

      Fez, e recordo bem que ele proferiu três anos de possível duração, mas até onde eu sei, pois busquei opiniões diferentes, não existe como saber o comportamento do Pacífico apartir dos 6 meses. Se nada mudou ele, na minha opinião não pode afirmar o que vai acontecer, se estiver errado peço desculpas.

      0
    • ÉDERSON KAPPESURUÇUÍ - PI

      Fernando, talvez não ha como saber o comportamento do pacífico alem de 6 meses, utilizando modelos de previsoes. O molion utiliza o metodo da similaridade, ou seja, encontra no passado o que ocorreu numa situaçao semelhante com a atual. Dessa forma, acho sim q ele pode

      0
    • VICTOR ANGELO P FERREIRA VICTORVAPFNEPOMUCENO - MG

      Tanta tecnologia, não teria um programa de computador para resumir acontecimentos futuros nas áreas solicitadas pelos interessados...Quer previsão...acessar tal programa e tamos conversados...

      1
    • FERNANDO BARTHJARI - RS

      De forma alguma estou diminuindo a importância de molion como meteorogista,

      3
  • alexsandro peixoto leopoldino Canarana - MT

    Eu sou fã desse cara (Molion) um cientista moderno. Seguramente num futuro próximo será visto por entendidos como o Santos Dumont da previsão climática. Mas tudo são modelos... E, vamos ser sinceros, a gente leva muita surpresa em nosso dia a dia. Por prevermos tanta coisa de forma errada.

    11
  • Celso Roque Marcolina São João - PR

    Eu também sou da opinião que é nessessário filtrar mais as reportagens e seus autores, porque é muita informação errada e descabida, serve p/ gerar negativismo e preocupação..., ou sabe o que diz ou não diz nada!

    1
    • CARLOS WILLIAM NASCIMENTOCAMPO MOURÃO - PR

      O que vende jornal e revista é sensacionalismo.

      2
  • João Alves da Fonseca Paracatu - MG

    meteorologia no Brasil é mesma coisa que previsões astrológicas,chutadas,sem nenhum embasamento,muda no dia a dia,mas nós agricultores todo dia damos uma olhadinha.. Ah,agora inventaram um tal bloqueio e, sempre que erram colocam a culpa no bloqueio...

    2
  • Murilo Comassetto Queiroz São Luiz Gonzaga - RS

    Qual a finalidade desse tipo de noticia? Quando erram dizem que são modelos matemáticos que geram as previsões; mas então; ou os programasutilizados estão defasados, ou os profissionais não sabem utilizar bem essas ferramentas. Na minha opinião deveria existir mais responsabilidade dos climatologistas, imaginem um profissional de outra área, como medicina, dando palpites incertos, como:o senhor pode ter uma doença terminal, ou não, isso não pode mais acontecer!

    3
  • Lucas Guasso Jóia - RS

    Esse cara não sabe nada, ja deu previsões para esta safra 16/17 de soja aqui no RS e errou completamente!!! Se é pra preocupar produtores melhor não falar oque não tem certeza!

    4
  • João Vicente Palagi Viccari CAMPO ERÊ - SC

    Como todos sabem, são previsões! Ainda bem que elas não se confirmaram e tivemos uma condição climática bem próxima da ideal. Agora estamos torcendo para que as previsões novamente não se confirmem, pois uma estiagem nunca é bem vinda!

    0
  • sandro roberto lautert condor - RS

    Diretores do Noticia Agrícolas. Vamos botar na peneira os convidados e suas reportagens. Tá começando a perder CREDIBILIDADE.

    4
  • Pablo Ramalho Itaguaí - RJ

    Realmente está difícil acreditar nas previsões ! Cada 15 dias parece que mudam tudo .

    0
  • Rodinei Vieira São Luiz Gonzaga - RS

    www.portalklff.com.br/noticia/el-nio-pode-retornar-no-segundo-semestre-de-2017-diz-agencia-da-onu-1049517

    0
  • Rodinei Vieira São Luiz Gonzaga - RS

    Não sabem é nada tão errando as previsões faz tempo! kkkkk

    1
  • paulo dragon ubiretama - RS

    LUIS CARLOS MOLION você errou e muito em suas previsões acompanhei você desde o início de suas entrevistas se eu fosse pelos seus conselhos teria investido pouco na cultura da soja mas fui na minha e investi pesado ainda bem pois o meu noroeste do rio grande do sul recebeu sempre chuvas bem distribuídas não temos nenhum veranico sito dizer que suas afirmações não podemos levar muito a sério pelo menos na minha região não deu certo mas como sempre se diz são previsões não afirmações,

    3
    • FERNANDO BARTHJARI - RS

      Beira a inrespo sabelidade este

      2
    • FERNANDO BARTHJARI - RS

      Desculpem o erro de português no comentário abaixo. O problema da previsão deste senhor é que ele foi categórico ao afirmar o lá Nina, baseado em comparação de anos anteriores, que é chute, como afirmam colegas de profissão dele. Infelizmente dependemos dessas informações para programar as safras futuras

      0
    • VICTOR ANGELO P FERREIRA VICTORVAPFNEPOMUCENO - MG

      El niño anda desconfiado dos bordejos da El niña e quem sofre somos nos...

      0