Chuvas dão segurança ao plantio no PR. Porém Inmet alerta que regularidade e boa distribuição só na 2ª semana de outubro

Publicado em 20/09/2019 15:03 e atualizado em 20/09/2019 16:27
1961 exibições
Condições climáticas para a região Central apontam para início da temporada de chuvas, mas ainda com muita irregularidade ao longo de outubro
Francisco de Assis Diniz - Chefe do Centro de Análise e Previsão do Tempo do Inmet

Podcast

Previsão do Tempo - Entrevista com Francisco de Assis Diniz - Chefe do Centro de Análise e Previsão do Tempo do Inmet

Download

LOGO nalogo

O Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) destaca que incidência de chuvas regulares e bem distribuídas deve ser confirmada entre a primeira e segunda semana de outubro. No caso da umidade do solo registrou uma melhora nos últimos dias na região central, porém o norte do país ainda continua seco.

Segundo o Chefe do Centro de Análise e Previsão do Tempo do Inmet, Francisco de Assis Diniz, o estado do Paraná registrou volumes de chuvas nos últimos dias. “Ainda deve persistir algumas chuvas na parte leste e centro do estado e avançando até a parte leste do estado de São Paulo. Só no norte do estado do Paraná que ainda não recebeu chuvas nos últimos cinco dias”, afirma.

Os modelos climáticos apontem que as precipitações devem ocorrer no sul dos estados do Goiás e Mato Grosso em pontos isolados. “Pelo menos é um sinal de mudança para essas localidades, mas ainda sim, são chuvas isoladas com baixo volume”, comenta.

A tendência é que neste final de semana registre precipitações com volumes de 30 mm nas regiões do sul de Minas Gerais. “A localidade vai receber chuvas novamente a partir de terça-feira da próxima semana e que vai registrar acumulados em torno de 60 mm”, ressalta.

Com relação ao armazenamento de água no solo, Assis aponta que as condições melhoram se comparada com o que foi observado nas semanas anteriores. “O mapa indica uma melhora com essas últimas chuvas que aconteceram no Sul do país, mas os estados ao norte do país ainda continua seco”, diz.

Por: Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário