Apesar dos bons volumes de chuvas que vem sendo registrados, distribuição ainda segue irregular em grande parte do Brasil

Publicado em 02/12/2019 12:39 e atualizado em 02/12/2019 16:59
2220 exibições
Inmet alerta para situação de irregularidade mais preocupante no Oeste da Bahia, Norte de Minas, Sul do Piaui e Maranhão, além do Norte/Oeste do Paraná
Francisco de Assis Diniz - Chefe do Centro de Análise e Previsão do Tempo do Inmet

Podcast

Entrevista com Francisco de Assis Diniz - Chefe do Centro de Análise e Previsão do Tempo do Inmet sobre a Previsão do Tempo

Download

 

LOGO nalogo

Apesar da estação chuvosa está se consolidando nas maior parte do país e os mapas indicarem chuvas favoráveis para todas as regiões, produtores ainda relatam irregularidade da chuvas em alguns pontos, principalmente para região norte do Paraná e região do Matopiba. 

Para entender melhor qual o cenário e previsão para os próximos dias, o Notícias Agrícolas conversou nesta segunda-feira (2) com Francisco de Assis Diniz - Chefe do Centro de Análise e Previsão do Tempo do Instituto Nacional de Meteorologia. 

"Vem ocorrendo em muitas áreas temporais localizados e intensos, porém em muitas áreas têm chovido pouco, apesar de estar chovendo em todas as regiões do Brasil", afirma Francisco. Segundo o Inmet, a situação de irregularidade mais preocupante  Oeste da Bahia, Norte de Minas, Sul do Piaui e Maranhão, além do Norte/Oeste do Paraná

Segundo Francisco, a explicação para a irregularidade é que apesar da convergência de umidade estar acontecendo, ela ainda não está sendo de maneira generalizada, fazendo com que a precipitação ocorra de maneira irregular. "A formação da nuvem não tem sido de maneira generalizada", explica. 

A situação, segundo o meteorologista, é diferente das condições observadas em outros anos. "Pelo que a gente está vendo agora, como está indicando chuvas mais intensas nos próximos 15 dias, a gente acredita que possa ter uma mudança", comenta. 

Confira a entrevista completa no vídeo acima

Por: Virgínia Alves
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário