ENTREVISTA: Confira a entrevista com Moreira Mendes - Dep. Fed. PPS

Publicado em 09/12/2011 13:02 717 exibições
Código Florestal: Maioria dos parlamentares da Câmara reivindica liquidação do projeto ainda neste ano. Deputados podem avaliar mudanças feitas no Senado já na próxima quarta-feira, 14, e sanção de Dilma pode sair até dia 21.

10 comentários

  • carlo meloni sao paulo - SP

    A depressao de 1929 nos Estados Unidos, foi consequrncia do excesso de produçao agricola. O excesso faz muita gente cair em

    dividas.MENOS TERRAS PARA PLANTAR ENTENDAM >>Nao e' ruim.

    Financiamento vicia como droga e o agricultor fica na mao do governo

    e do banco que o representa.

    Politico quer comida barata para agradar 95% dos eleitores, os 5%

    restantes de agricultores sao chutados a toda hora e nao aprendem.

    0
  • Celso de Almeida Gaudencio Londrina - PR

    Senhores Deputados da Frente Parlamentar Ruralista, o Paraná é exemplo de Projetos governamentais de Colonização Agrícola. No foco da ocupação territorial iniciada nas Capitanias e continuadas no Império e na Republica, como ficam essas áreas a luz do Novo Código Florestal em tramite.

    Todas as áreas de projetos antigos de colonização estão na ilegalidade, mesmo o Estatuto da Terra de 1965 ignorou esse fato e por isso se tornou inexequível, confrontava-se com já anteriormente estabelecido.

    Mesmo os que averbaram as reservas nas matrículas de imóveis, por uma redação capciosa do novo código se tornam ilegais.

    Senhores Senadores e Deputados se perpetuar no erro ou é ignorância ou coisa de mal intencionado. Escrevam um capitulo a parte: todas as áreas de colonização, obrigam, somente, os proprietários informarem as áreas de florestas existentes e somente poderão desmatar mais se o Novo Código Florestal permitir.

    0
  • Cláudio Sérgio Pretto Água Boa - MT

    Sinceramente, não sei porque nunca foi falado em aumentar o percentual a abrir na Amazônia, pois com 20% é inviável ter terras neste lugar, será que os representantes desta região não sabem que este será sempre um lugar com poco desenvolvimento?

    0
  • carlo meloni sao paulo - SP

    As propriedades acima de 4 modulos e' que vao perder muito pois o

    codigo de 2001 dizia que a recuperaçao das APP poderia ser feita

    as custas da Uniao, e as eventuais lavoras existentes deveriam ser

    indenizadas.Com essas lideramças de ruralistas nem e' preciso de

    inimigos, voces estao f......mesmo.

    0
  • Paulo de Tarso Pereira Gomes Brazópolis - MG

    Caro Celso de Almeida Gaudencio, concordo inteiramente com seu comentário, dependemos muito de nossas lideranças, acredito que elas não estão preocupadas com as "exceções" que na minha opinião(chute mais ou menos dentro")são a maioria dos pequenos agricultores.

    abraços Paulo Gomes

    0
  • Celso de Almeida Gaudencio Londrina - PR

    João Batista fica difícil comentar o posicionamento do Deputado Moreira Mendes - ninguém vai perder nada, mas, não vão contentar a todos. Mas, quem são os contemplados se a cana-de-açúcar não estiver nesse rol o projeto não será aprovado, basta ver a emenda 164. O arroz irrigado e a pecuária em região de topografia declivosa (especialmente a de leite) não vão perder nada independente do tamanho, me parece uma posição questionável. Os que têm averbação de reservas nas matrículas (mas que não consta perímetro de localização) ficam na ilegalidade, vista a esperteza da redação advocatícia do Art.30 ou 31 dependendo do relatórios do Senado, não vai perder nada João Batista. O que esta por trás do mecanismo de recompor o necessário no mesmo bioma, para os representantes da frente parlamentar que não sabem o que é Domínios Ecológicos Brasileiros (EMBRAPA, ECO 92). João Batista o produtor está alarmado com imbróglio jurídico, que vislumbra no novo código. Parece que a água do Rio Amazonas, que corre para o mar, nasce em copa de árvore. A declaração do Deputado (tenho certeza, que não vai ler mesmo o comentário) pela posição que ocupa descarta de vez a desobediência civil, o produtor rural tem contratar quatro advogados e dispensar o agrônomo que planeja os ecossistemas rurais aprimorados por décadas pela pesquisa rural brasileira. Jogaram tudo no lixo.

    0
  • Paulo de Tarso Pereira Gomes Brazópolis - MG

    Se nem os deputados ainda nao entenderam direito o novo codigo, imagine nois mortais uai.

    0
  • victor angelo p ferreira victorvapf nepomuceno - MG

    Realmente a gente tenta procurar o melhor caminho, mas nem sempre ele comunga com a realidade que nos é imposta.Os caminhos por onde passam os projetos a gente muitas vezes desconhece, pois como se sabe, aqui no Brasil é dado mais valor aos trâmites do que os resultados...Mas eu ainda acho, apesar de ignorar a legislação, que o fazendeiro está sendo expoliado,encurralado, obrigado a engolir guela abaixo um Código estúpido, imposto de fora para dentro, principalmente daqueles paises onde não seguiram regras nenhuma e ainda não seguem...Tenho uma inveja danada da Argentina...Vai lá, propõe um código destes,para ver se eles aceitam... mas não deixe de se identificar na fronteira nossa com aquele pais, porque senão nem entrar a gente entra...

    0
  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Para aqueles que acham que haveria a remota hipótese de substituição do Projeto que foi aprovado no Senado, não tem noção. Não tem base. O maior defeito na Câmara foi a falta de separação dos artigos com disposições permanentes e transitórias, misturadas no mesmo artigo. Era apenas um Código Florestal Desejado. O que a Câmara ainda pode fazer é suprimir artigos completos ou apenas incisos ou parágfrafos. A Presidência da República na sanção pode vetar da mesma forma, artigos completos ou apenas incisos e parágrafos todavia neste caso a Câmara pode "derrubar" algum veto dela. Eu digo o seguinte, aprovem isto imediatamente para que já em 2012 possam ser apresentados novos Projetos de Lei modificando aqui e ali. Projetos sobre assuntos que viraram lei num ano, só podem ser apresentados no ano seguinte...

    0
  • victor angelo p ferreira victorvapf nepomuceno - MG

    Poderão avaliar e Corrigir as mudanças que prejudicam ainda mais o sofrido Produtor Rural deste pais, alias representatividade verdadeira é a da Câmara que sofre menos ação dos lobistas, empregados dos interêsses espúreos alienígenas...

    Sabe como é, fica bem mais barato atacar umas dezenas de Senadores do que quinhentos deputados federais...

    Portanto, devem aprovar na íntegra o Código feito pelo competente Deputado Aldo Rebelo...

    0