DA REDAÇÃO: Descolamento entre preços da soja e do milho pode ser limitante para futuras altas da oleaginosa, diz Flávio França

Publicado em 07/05/2012 13:47 e atualizado em 07/05/2012 17:33 648 exibições
Soja: eleições em países da Europa causam turbulência no mercado financeiro, influenciando queda em Chicago nesta segunda-feira. Fundamentos são altíssimos para o longo prazo, quando a tendência é redução dos estoques diante da quebra na produção da América do Sul.
Sofrendo o impacto do mercado financeiro, com eleições na França e Grécia que deixaram o mercado tenso neste início de semana, soja fecha no vermelho na CBOT. Apesar da baixa momentânea, a oleaginosa tem suporte dos fundamentos, o que não existe para o trigo e o milho. Isso provoca um descolamento entre a soja e os demais grãos na Bolsa de Chicago, que deve evoluir para um fator de limitação a novas altas da oleaginosa, conforme explica Flávio França Jr., analista de mercado.

Diante dessa limitação, a soja pode não passar dos US$ 14 a US$ 15/Bushel, prevê França. “Acima disso, só com problemas efetivos de quebra na safra dos EUA, o que não é o caso”, afirma. As lavouras norte-americanas apresentam quadro satisfatório, recebendo, inclusive, boas chuvas regulares.

Haveria possibilidade de mudança nesse cenário, caso ocorresse troca de lavouras de milho por soja nos Estados Unidos. Mas, de acordo com o analista, essa transferência de área será pequena e não deverá interferir no contexto de preços. Já outro fator que, efetivamente, vai trazer novos rumos para as cotações em Chicago é o relatório do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) a ser divulgado na quinta-feira (10). Ele será o primeiro a estimar a oferta e demanda para a safra nova da oleaginosa. 

Quanto às estimativas para a área, um novo relatório do USDA trará as projeções apenas no dia 30 de junho. Independente do que vier nesse documento, o produtor já pode esperar uma safra cheia nos Estados Unidos. Porém, nada que consiga suprir os estoques de soja do próximo ano.
Por:
Fernanda Cruz
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário