DA REDAÇÃO: Milho – Aumento na procura impulsiona cotações do cereal no MS

Publicado em 22/08/2013 11:16 e atualizado em 22/08/2013 12:59
726 exibições
Milho: Colheita da safrinha entra na reta final no estado do Mato Grosso do Sul. Em Rio Brilhante, o aumento na procura pelo cereal tem impulsionado os preços do grão. Na última semana os produtores negociavam a saca a R$ 13,80, mas agora conseguem até R$ 17,00 pela saca.

A colheita do milho safrinha entra na reta final no Mato Grosso do Sul. Segundo levantamento realizado pela Aprosoja-MS, cerca de 85% da área cultivada no estado já foi colhida. No município de Rio Brilhante, os produtores já conseguiram finalizar a colheita da segunda safra.

O produtor rural da cidade, Eurípedes Mario Dutra, diz que os agricultores que semearam o grão entre os dias 28 de fevereiro e 5 de março estão colhendo uma boa produção, apesar das geadas tardias e o tempo mais seco, que atingiram as lavouras. Em média, os produtores estão colhem entre 70 e 80 sacas de milho por hectare. “Temos a melhor média dos últimos 7 anos”, afirma. 

Assim como no estado do Mato Grosso, os produtores sul-mato-grossenses também utilizam os silos bolsas para armazenar a produção. Dutra explica que, com o uso dos silos os agricultores conseguem reduzir os custos com o frete e armazenagem. 

Por outro lado, os preços do cereal que até a última semana estavam mais baixos, em torno de R$ 13,80 a saca, já apresentaram uma valorização e, atualmente, o produtor consegue negociar a saca disponível a R$ 17,00. O aumento na procura pelo milho tem impulsionado as cotações na região.

“Além disso, temos perdas em alguns estados, em função das geadas, especialmente no PR e RS. A situação do mercado eletrônico, Chicago, também reflete nos preços, assim como a relação entre a oferta e procura”, ressalta o produtor. 

Frente a esse cenário, os produtores comercializam a safra conforme a necessidade, já que esperam preços mais altos. “Todo mundo vende um pouco e com uma produtividade em torno de 80 sacas por hectare e cotações à R$ 17,00, conseguimos cobrir os custos de produção”, relata Dutra. 

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário