DA REDAÇÃO: Safra 2013/14 – Helicoverpa ataca áreas com buva em Laguna Carapã (MS)

Publicado em 09/10/2013 16:13 e atualizado em 09/10/2013 18:17
783 exibições
Safra 2013/14: Em Laguna Carapã (MS), áreas com buva são atacadas pela Helicoverpa, assim como na região de Dourados. Lagarta ainda não tinha sido encontrada na região. Situação pode encarecer os custos de produção e produtores devem estar atentos e realizar o monitoramento das lavouras.

Na região de Laguna Carapã (MS), as áreas com buva já foram atacadas pela helicoverpa, assim como, na região de Dourados. Na safra passada, a praga já tinha atacado as últimas lavouras, mas de forma moderada. Agora, o ataque é mais expressivo nas áreas com a buva.

Além disso, na região, também foram encontradas as borboletas, conforme destaca o técnico agrícola do município, Antônio Rodrigues. A borboleta atinge, em média, de 3 a 4 cm centímetros, o macho tem uma tonalidade esverdeada, já as fêmeas tem a asa em formato ziguezague e com a margem amarelada.  

O técnico explica que, a borboleta tem o hábito de ficar na borda as folhas e formam uma teia, o que dificulta o controle. E a expectativa é que depois a lagarta passe da buva para a soja recém- geminada. 

Por outro lado, essa situação também pode encarecer os custos de produção, já que os agricultores terão que gastar mais com produtos para tentar controlar a praga. Diante desse cenário, a palavra de ordem é o monitoramento, os agricultores devem estar atentos às lavouras.

“Hoje, o monitoramento do campo tem que ser extensivo, para tentar eliminar esse problema no início de não deixar que as lagartas cresçam e se proliferem, para que não haja prejuízos. O produtor deve, até mesmo, realizar uma aplicação do inseticida antes da soja”, orienta Rodrigues.

A praga deve ser controlada desde o início, para evitar prejuízos como os registrados nos estados da Bahia e Mato Grosso. Até o momento, cerca de 30% da área foi cultivada com soja na região de Laguna Carapã. E nas áreas plantadas ainda não foram encontradas lagartas. 

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário