DA REDAÇÃO: Arroz – Produtores finalizam colheita em Darcinópolis (TO) e produtividade média alcançou 3 mil quilos por hectare

Publicado em 05/06/2014 10:14 e atualizado em 05/06/2014 11:35 235 exibições
Arroz: Em Darcinópolis (TO), produtores já finalizaram a colheita do grão e a produtividade média alcançou 3 mil quilos por hectare. Preços baixaram de R$ 50,00 para R$ 40,00 e agricultores aguardam melhora nas cotações para negociar o produto. No milho, valores também recuaram de R$ 30,00 para R$ 26,00.

Na região de Darcinópolis (TO), os produtores rurais já finalizaram a colheita do arroz e a produtividade média das lavouras ficou em 3 mil quilos por hectare. Em algumas propriedades, o rendimento das plantações chegou até a 4 mil quilos por hectare, número bem acima do esperado pelos agricultores.

De acordo com o produtor do município, Marcílio Fernandes Marangoni, a cultura é utilizada em áreas de abertura, uma vez que em seguida, a opção é a soja. “A oleaginosa é mais rentável, mas com o arroz temos baixos investimentos e uma produção satisfatória. E também é mais tranquila em relação ao ataque de pragas”, afirma. 

A produção da região é destinada ao abastecimento de outras localidades ao Norte do estado, Maranhão e Pará. Entretanto, com a queda nos preços de R$ 50,00 para R$ 40,00, com o avanço na colheita, os agricultores estão mais cautelosos na comercialização e seguram o produto à espera de valores melhores. Além disso, a produção de arroz de Formosa do Araguaia (TO) também acaba influenciando o recuo nas cotações. 

Milho

No caso das lavouras da safrinha, as chuvas irregulares dos últimos 30 dias pode prejudicar a produtividade média das plantações. As altas temperaturas também afetaram o fechamento das espigas dos últimos milhos. Diante desse cenário, o rendimento das plantas deve ficar entre 90 até 95 sacas por hectare, abaixo da expectativa dos agricultores, de 100 sacas por hectare. 

Por outro lado, os preços da saca do cereal também baixaram de R$ 30,00 para R$ 26,00 na região, acompanhando o movimento no mercado interno. “Mas ainda acreditamos que os preços podem voltar ao patamar de R$ 30,00 após a pressão da colheita, ou até mesmo aumentar para R$ 35,00”, destaca o produtor. 

Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário