DA REDAÇÃO: Milho – Em Canarana (MT), colheita avança e atinge 20% da área cultivada e preços recuam

Publicado em 07/07/2014 10:34 e atualizado em 07/07/2014 15:59 366 exibições
Milho: Colheita da safrinha alcança 20% da área cultivada na região de Canarana (MT). Produtividade média das lavouras deve ficar em torno de 80 sacas de milho por hectare. Preços da saca do cereal estão mais baixos, cerca de R$ 12,00 a R$ 14,00. E custos de produção aumentaram nesta safra.

Em Canarana (MT), a colheita do milho safrinha já atinge 20% da área cultivada até o momento. Por enquanto, a produtividade das plantações varia de 60 até 150 sacas de milho por hectare, dependendo do nível dos investimentos feitos pelos produtores rurais.

O excesso de umidade registrado no início do plantio também pode interferir no rendimento das plantas, segundo afirma o presidente do Sindicato Rural do município, Arlindo Cancian. A expectativa inicial é que o rendimento médio das plantações fique próximo de 80 sacas de milho por hectare. 

Custos de produção

O presidente também destaca que os custos de produção nesta safra foram maiores. “Assim como em todo o Brasil, a tecnologia Bt não funcionou como no início, com isso, os custos de produção ficaram mais altos, uma vez que os produtores tiveram que fazer mais aplicações de inseticidas nas lavouras”, destaca Cancian.

Na contramão desse cenário, os preços do cereal estão mais baixos no mercado interno frente ao avanço da colheita da segunda safra. No início da safra, alguns contratos foram feitos na região com valores entre R$ 17,00 a R$ 19,00, mas, atualmente, as cotações baixaram e estão entre R$ 12,00 a R$ 14,00.

“Esperamos que nos segundo semestre a situação melhore. Porém, mais uma vez o Governo poderá ter que intervir no mercado, caso contrário, o prejuízo ao produtor rural poderá ser ainda maior”, diz o presidente.

Armazenagem

Em algumas localidades, os produtores já sinalizam que poderão segurar o produto à espera de melhores oportunidades de negociação. Mas na localidade, os armazéns ainda estão retirando a soja para armazenar o cereal, consequentemente, já há problemas com filas nos armazéns. “Temos um ou dois dias de filas, isso encarece o custo de produção e o valor do frete”, explica Cancian. 

Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário