DA REDAÇÃO: Em Guaíra (PR), chuvas beneficiam início do plantio da soja e área cultivada alcança 30%

Publicado em 19/09/2014 10:49 e atualizado em 19/09/2014 15:45 445 exibições
Safra 2014/15: Chuvas favorecem início do plantio da soja em Guaíra (PR) e área cultivada alcança 30%. Primeiros contratos futuros giram em torno de R$ 50,00 a saca e poucos negócios são fechados. No milho safrinha, preços recuaram a R$ 17,30, valor que deixa uma margem ajustada aos produtores e pode influenciar na área destinada ao grão na próxima safrinha.

Na região de Guaíra (PR), as chuvas registradas nesta sexta-feira (19) favorecem o início do plantio da safra 2014/15. Com o término do vazio sanitário, na última segunda-feira (15), os produtores já começaram o cultivo da oleaginosa e, até o momento, a área semeada alcança 30%.

De acordo com o presidente do Sindicato Rural do município, Silvanir Rosset, as precipitações estão calmas e beneficiam também as lavouras que já foram cultivadas. Em relação à área semeada com a oleaginosa, a expectativa é que haja um aumento entre 2% a 3%, uma vez que os produtores deverão reduzir  ainda mais a área destinada ao milho para a soja. 

Comercialização 

Frente aos preços em patamares mais baixos, os negócios antecipados para a soja estão lentos na região de Guaíra. “Apenas alguns contratos estão sendo fechados, mas são pontuais. E os preços giram em torno de R$ 50,00 pela saca do grão”, destaca Rosset.

Com isso, é cada vez maior a expectativa de que os agricultores dependerão da produtividade das lavouras, para manter a margem positiva. E também é preciso ressaltar que os custos de produção estão mais altos nesta safra. 

Milho safrinha

Assim como em outras regiões, as cotações do milho também recuaram na região. Atualmente, a saca é cotada a R$ 17,30, valor que deixa uma margem ajustada aos produtores. “Consequentemente, os agricultores estão buscando o EGF (Empréstimo do Governo Federal), mas temos algumas agências que já limitaram o volume de recursos aos produtores”, explica Rosset. 

Diante desse cenário, a perspectiva é que essa situação impacte na intenção de plantio da próxima safrinha. “Ainda assim, apesar dos relatos de possível redução na área destinada ao milho na segunda safra, quando chegar o momento, o agricultor vai plantar”, afirma o presidente.

Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário