EXCLUSIVO: Seca restringe oferta da mandioca no mercado elevando os preços da raiz

Publicado em 21/09/2010 11:24 e atualizado em 21/09/2010 14:38
481 exibições
Mandioca: O baixo volume de chuva registrado na semana passada não foi suficiente para facilitar a colheita. Oferta restrita deve continuar até primeiro semestre de 2011.

O mercado da mandioca mantém o cenário de oferta muito restrita em função das condições climáticas nas principais praças produtores do país. São mais de 30 dias sem chuvas, e mesmo a baixa precipitação da última semana não foi suficiente para facilitar a colheita.

<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

Apesar de as previsões apontarem para chuvas regulares a partir da próxima semana, o pesquisador do CEPEA, Fabio Isaias Felipe afirma que então os produtores deverão avaliar o plantio ou o replantio as raízes perdidas por causa da estiagem. É possível registrar que neste ano há menor disponibilidade de sementes para propagação da mandioca.

 

Segundo dados levantados pelo CEPEA, na semana de <?xml:namespace prefix = st1 ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:smarttags" />13 a 17 de setembro os preços ficaram acima de R$ 258,00, sendo uma alta de 0,5% com relação ao mesmo período do ano passado e 9,7% superior à primeira quinzena de agosto. Os preços já superam 58% com relação ao mesmo período de 2009.

 

Para as indústrias, o problema torna-se ainda maior já que elas brigam entre si para conseguir o produto para moagem. O pesquisador revela que as empresas precisam reabastecer seus estoques, já que utilizaram as reservas para produzir farinha e fécula para o mercado doméstico. No entanto, ainda há resistência para repassar os preços aos produtores.

 

Fabio avalia que a oferta restrita do mercado deve perdurar até o primeiro semestre de 2011 e, assim como a mão-de-obra está mais cara e existe dificuldade de encontrar sementes da raiz, será preciso ao produtor avaliar os fatores do atual cenário para qualquer tomada de decisão.

Fonte: Redação NA

Nenhum comentário