EXCLUSIVO: Falta de oferta sustenta cotações do algodão em alta por mais dois anos

Publicado em 11/10/2010 14:14 e atualizado em 11/10/2010 16:49
331 exibições
Algodão: mercado deve se manter aquecido pelos próximos dois anos. Para os produtores brasileiros, a tendência de alta traz expectativa positiva com início da nova safra. Sem oferta no mercado, os preços sobem em Nova York.

 

O relatório do Departamento Agrícola dos Estados Unidos (USDA, sigla em inglês) fez as cotações nas bolsas financeiras explodir em suas altas. Para o algodão, o movimento não foi diferente, já que não existe oferta para a demanda aquecida mundial. Perda nas principais safras da fibra mudou o cenário que tende a ser altista pelos próximos dois anos.

<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

A alta lá de fora reflete para os produtores brasileiros positivamente, quando já pensam em aumentar a área plantada no próximo ano safra 2010/11. Mesmo a moeda brasileira se valorize frente ao dólar, serão as altas do mercado que segurarão as cotações.

 

Por outro lado, a indústria não conseguiu ainda repassar o valor mais caro das suas compras para a mercadoria final do consumidor. As compras deverão cessar momentaneamente, segundo a analista de mercado, Maria de Lourdes Yamaguti, mas como falta produto no mercado, a conseqüência será apenas de repiques em alta e baixa nas cotações.

 

O Governo do Brasil autorizou importação de até 250 mil toneladas até maio de 2011. Embora o mercado esteja um pouco retraído, a tendência é de alta. Eu acredito que mesmo se entrar (importação) essas 250 mil toneladas aqui no Brasil, mesmo com essa intenção, o mercado deve se manter em alta, afirma Yamaguti.

 

É importante lembrar que os estoques brasileiros estão com 200 mil toneladas de algodão, quando deveriam ter um volume de 500 mil toneladas para abastecer as indústrias até a entrada da próxima safra.

Fonte: Redação NA

Nenhum comentário