ENTREVISTA: Confira a entrevista com Valdir Fries - Produtor Rural - Itambé/PR

Publicado em 21/07/2011 19:18 449 exibições
Seguro Faturamento lançado pelo Banco do Brasil traz custo muito elevado para o produtor que assina a apólice com seguradoras. Proposta precisa ser melhorada para atender e garantir de fato renda para agricultor brasileiro.

1 comentário

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Prezado Valdir, entre aquilo que você analisou, ainda tem a seguinte regra: A parte que você colher abaixo de 20% da produtividade média do seu municipio, não merecerá indenização. Está escrito nos subitens 19.3.1 e 19.3.2 (pág. 21 das Condições Gerais). Isto se configura como uma espécie de franquia. Portanto do seu exemplo de 50 sc de colheita, assegura-se 35 (70%) mas abaixo de 10 sc (20%) não se indeniza, logo a quantidade máxima segurada é de 25 sc/ha. Acho que o Premio de 8% não é fixo, ele varia com o histórico. Não está divulgada uma tabela municipal de Prêmios, cujos percentuais derivam dos históricos das indenizações passadas mas no Simulador apresentam-se valores diferentes por municipios ou regiões. O exemplo refere-se a um seguro onde o Preço de faturamento não variou. Mesmo o Governo pagando 50% do Premio, resulta que 4% de 50 sc cobrem 50% ou seja 25 sc. Assim sendo, tornam-se 8% destes 25 sc segurados. c.q.d (Como queríamos demonstrar). Trata-se de um Seguro bastante caro. Também não tem nada a ver com o Seguro de Catástrofes que interessa às seguradoras e não ao produtor neste caso. Viva o abobalhamento midiático que mais uma vez induziu a multidão urbana crer nas falsas vantagens apregoadas.

    0