Gado leiteiro de qualquer raça, a pasto, com intensificação de manejo, rotação e adubação diárias, oferece produto diferenciado

Publicado em 07/12/2017 12:13 e atualizado em 07/12/2017 14:42
1254 exibições
Nem sempre os compradores de leite 'commodity' pagam pelo sistema de gestão das vacas que gera um produto com maior valor agregado. Mas, ainda que a lotação de pastagem exija custo, pelo menos também se elimina outros, como maior volume de ração e equipamentos.
Confira a entrevista com Bento Mineiro - Criador de GIR Leiteiro

LOGO nalogo

Bento Mineiro, criador de GIR Leiteiro, conversou com o Notícias Agrícolas para traçar um panorama das principais tecnologias, condições e perfis de raças do gado leiteiro brasileiro, sobretudo a produção especializada que atende mercados de nicho.

Ele destaca que o manejo a pasto e a demanda pelo bem estar animal vêm agregando valor à produção leiteira, trazendo uma operação de menos risco para o produtor e novas possibilidades para destinar sua produção.

Com o uso de técnicas como uma adubação pesada e a irrigação, os produtores podem ter uma lotação bem maior do que a oferecida pela pecuária de corte. Um manejo regular, por sua vez, também não precisa de reforma constante e o pasto acaba sendo o principal insumo de custos, ajudando a obter um produto com maior valor agregado e diminuindo custos com ração e equipamentos.

Contudo, a pecuária leiteira tradicional, na visão de Mineiro, carece de uma representação para que a regularização do preço do leite seja mais transparente. Hoje, poucos conseguem produzir e obter bons lucros.

O produtor explicou, ainda, algumas tendências para o campo da genética no contexto brasileiro, bem como outras especificidades ligadas ao sistema de gestão.

Acompanhe a entrevista completa com Bento Mineiro no vídeo acima.

Por: Giovanni Lorenzon e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário