No Rio Grande do Sul, safra de milho já tem perda de 15% devido à falta de chuvas

Publicado em 23/12/2016 14:55 e atualizado em 25/12/2016 11:50
2714 exibições
Perdas são registradas nas áreas de sequeiro, especialmente na região das Missões e no Noroeste do estado. Produção deve ficar abaixo do projetado inicialmente, de 5,5 milhões de toneladas do grão. Preços baixaram e saca é cotada a R$ 35,00, mas valor ainda remunera os produtores rurais. Em torno de 15% da safra foi negociada antecipadamente.
Confira a entrevista de Cláudio de Jesus - Pres. da Apromilho

Podcast

Lavouras de milho de áreas de sequeiro já registram perdas devido à falta de chuvas no RS

Download

 

A produção de milho no Rio Grande do Sul da safra de verão já tem perda estimada de 15% nesta temporada devido à falta de chuvas. Com isso, a perspectiva inicial de 5,5 milhões de toneladas do cereal não deverá ser alcançada nesta safra. Os prejuízos são registrados, especialmente nas áreas de sequeiro.

As perdas são observadas principalmente na região das Missões, Alto Uruguai e no Noroeste do estado. O presidente da Apromilho, Claudio de Jesus, reforça que, nas áreas irrigadas, as plantações apresentam boas condições e a perspectiva é de um recorde na produtividade.

“O stress hídrico foi resolvido com a irrigação e tivemos um ano com mais luz. Já no sequeiro, temos problemas pontuais, especialmente na fase de formação de grãos. E apesar do rendimento maior projetado nas áreas irrigadas, acreditamos que não irão compensar as perdas no sequeiro”, destaca Jesus.

Para essa safra, a perspectiva era de um rendimento médio de 130 sacas do grão por hectare. Contudo, a projeção é que as perdas sejam estáveis, uma vez que as previsões climáticas indicam chuvas para o estado nos próximos 8 a 10 dias. As primeiras colheitas estão previstas para serem iniciadas no dia 28 de janeiro, em São Luiz Gonzaga. Na região algumas lavouras deverão ser colhidas já no início do ano, mas são situações pontuais.

Seguro

A liderança ainda sinaliza que o seguro ainda é um grande desafio não só para o estado, mas também para o Brasil. “Especialmente o Proagro que não atende a necessidade dos grandes produtores. Diria que o produtor que tem problema com o milho deverá empatar nesta temporada, não terá prejuízo, nem lucro e talvez nem utilize o seguro”, afirma.

Preços

Atualmente, a saca do cereal é cotada a R$ 35,00 no estado. Entretanto, cerca de 10% a 15% da safra já foi negociada antecipadamente, com valores de até R$ 45,00 a saca. 

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário