Com chuvas irregulares, lavouras de soja já apresentam perdas em Maringá (PR)

Publicado em 09/12/2016 09:52 e atualizado em 09/12/2016 12:07
1403 exibições
Prejuízos ainda serão contabilizados. Altas temperaturas registradas na região agravam situação das plantas. Chuvas previstas para esse final de semana ainda podem recuperar algumas plantações. Em torno de 15% da safra já foi negociada antecipadamente, volume abaixo do observado no mesmo período do ano anterior, de 35%. Contratos próximos de R$ 77,00 a saca do grão.
Confira a entrevista de José Antônio Borghi - Pres. Sind. Rural-Maringá/PR

Podcast

Com chuvas irregulares, lavouras de soja já apresentam perdas em Maringá (PR)

Download

As chuvas permanecem irregulares na região de Maringá (PR) e as lavouras de soja da safra 2016/17 já registram perdas consolidadas nesta temporada. Ainda não é possível quantificar os prejuízos, mas as plantas apresentam dificuldades no crescimento e desenvolvimento. Com isso, a perspectiva é que a produtividade média fique abaixo do projetado em torno de 60 sacas do grão por hectare.

Contudo, o presidente do Sindicato Rural do município, José Antônio Borghi, ressalta que, algumas lavouras ainda podem se recuperar, caso as chuvas retornem à localidade. “Temos uma previsão de 80 mm para o final de semana, mas ainda dependeremos da época de plantio, variedade cultivada, manejo de solo e tratos culturais de cada lavoura. Só assim, conseguiremos avaliar o potencial de recuperação das plantas”, destaca.

De acordo com boletim informativo da Climatempo, o estado deverá receber chuvas de até 100 mm nos próximos 7 dias.  Em novembro, as plantações receberam, em média, 35 mm de chuvas e o acumulado de dezembro não supera 10 mm. Além das precipitações, as altas temperaturas também têm preocupado os produtores e agravado a situação das plantas.

“O sol está escaldante, então no meio do dia, as plantas murcham as folhas para se protegerem e evitarem as perdas de água. Por isso, é importante o acompanhamento técnico das áreas para que os produtores tomem as melhores decisões ou busquem alternativas”, oriente Borghi.

Apesar do clima adverso, a sanidade das lavouras ainda é positiva na região. A liderança sindical ainda explica que, a incidência das lagartas é pequena e sem necessidade de controle até o momento. “E também não temos problemas com os percevejos e nem a ferrugem”, completa.

É importante ressaltar que, essa situação se repete em todo o Noroeste e Norte do estado. “O quadro é bem semelhante em Campo Mourão, Paranavaí, Umuarama e também Londrina”, reforça Borghi.

Comercialização

Mesmo com a recente alta dos preços da soja na Bolsa de Chicago (CBOT) e no dólar, o que acabou movimentação as cotações na região, os produtores seguem cautelosos. Essa semana, a saca da oleaginosa chegou a ser cotada a R$ 77,00 em Maringá, porém, apenas 15% da produção foi comercializada antecipada. O volume está bem abaixo do registrado no mesmo período do ano anterior, de 35%.

“O produtor está apreensivo, pois não sabe quanto irá colher e também porque há dois meses, o valor chegou a R$ 85,00 a saca. A indefinição em relação à política e economia do país também contribui para que o agricultor fique em compasso de espera”, finaliza Borghi.

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário