Soja sobe na CBOT nos vencimentos da safra nova focando clima adverso nos EUA e menos no USDA

Publicado em 10/06/2021 17:15 e atualizado em 10/06/2021 18:37 3371 exibições
Ginaldo de Sousa - Diretor Geral do Grupo Labhoro
Aumento dos estoques finais americanos ainda os mantém apertados. Estoques da safra nova estão estimados para pouco mais de 4 milhões de toneladas. Clima adverso nos EUA deve se manter no centro das atenções e garantir volatilidade acentuada.

Podcast

Entrevista com Ginaldo de Sousa - Diretor Geral do Grupo Labhoro sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Download

LOGO nalogo

O mercado da soja, após a chegada do novo boletim mensal de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), fechou o pregão desta quinta-feira (10) em campo misto na Bolsa de Chicago. O contrato julho/21 encerrrou com baixa de 18,50 pontos,  cotado a US$ 15,44, e o novembro/21 subiu 11,25 pontos para US$ 14,59 por bushel. 

"O USDA poderia trazer alguma supresa na soja, mas não trouxe. O aumento dos estoques foi um número neutro", explicou Ginaldo de Sousa, diretor do Grupo Labhoro, referindo-se aos números dos estoques finais norte-americanos tanto da safra nova, quanto da safra velha. "Foi um relatório muito interessante, sendo altista para o milho e neutro para soja e trigo". 

Da safra velha, os estoques finais 2020/21 dos EUA foram revisados de 3,27 para 3,67 milhões de toneladas e os da safra nova de 3,81 para 4,22 milhões de toneladas. 

Tabela Soja - USDA Junho

Sousa reforça ainda que o foco do mercado, ao menos neste momento, continua sendo a questão central do mercado de grãos na Bolsa de Chicago - o que justifica as altas nos vencimentos referentes à temporada 2021/22 - e a preocupação que ainda se registra em torno das condições em partes do Corn Belt, principalmente olhando para as porções mais a oeste e norte do cinturão. 

"A safra não está consolidada. Hoje tem chuva nas Dakotas, mas na semana que vem já não aparecem. O modelo europeu, que tem sido o mais assertivo, está dizendo que o clima de junho deve continuar quente e seco pelo menos até o dia 25, 26", explica o diretor da Labhoro. "A volatilidade vai continuar muito forte". 

E essa volatilidade tende a se intensificar porque mesmo com a revisão dos estoques apresentada nesta quinta-feira, os números ainda são muito apertados, de pouco  mais de 4 milhões de toneladas, um dos mais baixos da história. 

O mercado, aos poucos, se prepara também para o novo boletim que o USDA traz no final do mês, com a revisão da área da safra 2021/22. No entanto, até lá, o clima segue no principal foco dos traders. 

MERCADO BRASILEIRO

Enquanto as novas rotas são definidas na Bolsa de Chicago, os negócios ainda camiham mais lentamente no Brasil, com o produtor ainda segurando suas vendas tanto para o restante da safra velha, quanto para a safra nova. Ainda assim, Sousa alerta "é hora de começar a pensar em vender", diz. 

Os preços da soja nos portos terminaram o dia com estabilidade. Em Rio Grande, o produto disponível fechou com R$ 170,00 e em Paranaguá, com R$ 171,00. No porto de Santos, a referência junho ficou em R$ 181,00 por saca. Para a safra nova, R$ 158,00 no terminal paranaense e R$ 155,00 no gaúcho. 

Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário