EUA 2016/17: USDA estima áreas menores para soja e trigo, mas aumenta de milho

Publicado em 25/02/2016 11:19 e atualizado em 25/02/2016 15:13
3306 exibições

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) realiza, entre os dias 25 e 26 de fevereiro, o Agricultural Outlook Forum, e o primeiro dia já trouxe algumas surpresas para o mercado com a estimativa de uma redução na área de plantio da soja. 

Segundo o economista chefe do departamento, Robert Johansson, a área destinada à oleaginosa deverá ficar, na temporada 2016/17, em 33,39 milhões de hectares, número que vem abaixo das expectativas do mercado, de 33,71 milhões. Além disso, a área esperada é menor ainda do que a plantada na safra 2015/16, de 33,47 milhões de hectares. 

Em contrapartida, o USDA estima que a área dedicada ao milho cresça de forma expressiva e chegue a 36,42 milhões de hectares, contra 35,61 milhões da campanha anterior. Para o cereal, as expectativas do mercado eram de 36,3 milhões de hectares. De acordo com analistas internacionais, o aumento projetado para o grão se dá por conta de preços menores dos combustíveis e dos fertilizantes tornarem a cultura, ao menos nesse momento, mais atrativa para os produtores do que as demais opções. 

A projeção para a área cultivada com trigo nos Estados Unidos também veio menor do que o esperado - 21,21 milhões de hectares - e foi projetada em 20,46 milhões. Em 2015, o plantio foi realizado em 22,1 milhões de hectares. Segundo analistas, perderam tanto o trigo de primavera quanto o de inverno dada a pressão exercida pelos baixos preços. 

Média de Preços

Ainda segundo analistas internacionais, os preços dos grãos devem seguir pressionados pelos amplos estoques dos mesmos. E, diante desse quadro, o economista disse ainda que "mais adiante são esperadas novas baixas para os preços no ano comercial 2016/17". 

O preço médio do milho, portanto, foi estimado pelo USDA em US$ 3,45, menor do que os US$ 3,60 de 2015; na soja passou de US$ 8,80 a US$ 8,50 e no trigo, de US$ 5,00 para US$ 4,20. 

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário