Sinal de alerta na avicultura com alta de 15% no custo de produção neste início de ano. Produtores já trabalham com prejuízos

Publicado em 13/01/2016 13:40 e atualizado em 13/01/2016 15:50
311 exibições
Avicultores devem regular oferta na tentativa de elevar preços pagos. Alta do milho é o principal motivo da elevação dos custos

Os preços do milho e do farelo de soja tiveram uma disparada em diversas regiões do Sul e Sudeste que tem refletido em aumento nos custos de produção. Neste inicio de ano a alta já chega a 15% e muitos produtores trabalham com prejuízo.

Assim como ocorreu com as vendas externa de carne de frango in natura, as exportações de milho também foram recordes em 2015, impulsionando o preço do cereal. Na região de Campinas, em São Paulo, a saca de 60 quilos está cotada entre R$ 42,00 a R$ 45,00.

Segundo o presidente da APA (Associação Paulista dos Avicultores), Érico Pozzer, há relato de produtores com dificuldade de adquirir a matéria prima, muito em função da retenção dos agricultores no mercado na expectativa de novas altas nos preços.

"Em função de uma safra de verão um pouco menor o mercado fica especulado, e com uma grande contribuição das exportações que estão pagando um preço bastante elevado", explica Pozzer.

Desde dezembro os avicultores de São Paulo já trabalham com custos em torno de R$ 2,60 a R$ 2,70 por quilo e preços do milho entre R$ 32,00 a R$ 34,00 a saca. Depois da puxada de preço do cereal em janeiro, o custo com a reposição do frango vivo passou para R$ 2,80 a 2,90/kg, ou seja, um aumento de 15%.

Com a alta, muitos avicultores já trabalham no vermelho neste inicio, considerando que os últimos levantamentos de preço para o frango vivo em São Paulo apontam o quilo do animal vivo pago ao produtor independente em R$ 2,80.

"Quem estava com planos de crescer muito esse ano, pode ser que reavalie e não cresça. Com um impacto desse é impossível que o setor se mantenha alheio a isso", destaca Pozzer.

Neste sentido, o presidente alerta que os produtores devem regular a oferta nos próximos meses para não causar quedas mais bruscas nos preços, e tentar elevar a cotação.

Tags:
Por: Aleksander Horta e Larissa Albuquerque
Fonte: Notícias Agrícolas

2 comentários

  • Eustáquio de Resende cristalina - GO

    ....Esse filme já vi antes. Um ano quebra o agricultor, outro o granjeiro. Ano passado tive dificuldade para vender o milho a R$ 17,00 a saca aqui em Cristalina-GO. Perdi o estimulo, não plantei nada no verão, e os granjeiros sorrindo (e comprando só o necessario). Agora paguem o que vale.

    0
  • jose renato da silva Uberlândia - MG

    Acredito que o Sr. Érico Pozzer esteja equivocado quanto à oferta de milho. Ele cita que há milho no mercado e que produtor está segurando o produto. O que estamos notando e já alertamos isso (na parte da manhã de hoje), é que não há milho suficiente para atender a demanda até a entrada a safra que está por vir.

    0
    • JONAS SCHUHPRIMAVERA - MT

      Concordo com você José Renato, não há ofertas por que não há produto. São poucos os produtores que tem milho a ser comercializado ainda havia algo nos estoques mas de produto que ja tinha sido comercializado e o destino era exportação, mercado interno pequenos e medios consumidores desesperados à busca de milho. Pede-se hoje a quanto o produtor vende !!! Pra quem tem experiência de mercado sabe muito bem que quando se chega nessa situação a coisa não anda lá muito boa. E soja nao é muito diferente onde esta o tal estoque de passagem ???? só em números .... por que as fabricas estão mantendo o preço alto em relação ao soja de fevereiro??? vale a pena refletir.

      0
    • HILÁRIO CASONATTOLUCAS DO RIO VERDE - MT

      No MT hoje , milho R$ 25,00 e ta acabando, não temos safra de verão então temos 150 dd para chegar a safrinha

      0