Suíno Vivo: Preços cedem em Mato Grosso nesta 5ª feira

Publicado em 22/09/2016 18:40 e atualizado em 22/09/2016 19:23
53 exibições

Nesta quinta-feira (22), as cotações para o suíno vivo tiveram uma nova baixa. Em Mato Grosso, a referência passa de R$ 3,32/kg para R$ 3,25/kg, segundo dados fornecidos pela Acrismat (Associação de Criadores de Suínos de Mato Grosso). Nas demais regiões, o cenário é de estabilidade, após as leves altas registradas em São Paulo e Rio Grande do Sul no início da semana.

Segundo o boletim semanal do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), a demanda enfraquecida tem impedido a reação de preços nas principais praças de comercialização. Historicamente, as cotações em setembro começam a subir, devido ao período de abastecimento para as festas de final de ano.

“Neste ano, porém, conforme pesquisadores do Cepea, a demanda interna enfraquecida tem impedido valorizações significativas, mesmo em um contexto de menor oferta”, explicam o boletim do Centro.

Porém, as expectativas são positivas para o setor. Para o presidente da Acsurs (Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul), Valdecir Folador, nos próximos três meses deve haver uma melhora, porém os custos de produção ainda são principal preocupação.

“Se compararmos o preço do suíno vivo com o mesmo período do ano passado, nós temos preços melhores ou iguais, o problema está no alto custo de produção devido ao valor do milho. Acredito que os preços devem recuperar mais um pouco nos próximos meses”, aponta Folador em nota divulgada pela APCS (Associação Paulista dos Criadores de Suínos).

Por outro lado, a recuperação de preços tem sido lenta, apesar da valorização nesta semana no Rio Grande do Sul. A média estadual subiu apenas R$ 0,02, segundo a pesquisa semanal realizada pela ACSURS (Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul). Com isso, a cotação fechou em R$ 3,92/kg para os independentes. Já aos integrados, a média foi mantida em R$ 2,96/kg.

» Acesse as cotações na íntegra para o suíno vivo

Por: Sandy Quintans
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário