Mercado de açúcar: "Ciclotimia exacerbada", por Arnaldo Luiz Correa

Publicado em 02/05/2020 06:07 e atualizado em 04/05/2020 07:35 295 exibições

“No Brasil, a burrice tem um passado

glorioso e um futuro brilhante”

Roberto Campos (1917-2001)

Economista e Diplomata

Na semana passada comentamos aqui que, em função da crise mundial provocada pelo coronavirus e o fato de o Centro-Sul aumentar sua produção de açúcar para esta safra devido ao derretimento do preço do petróleo no mercado internacional e, consequentemente, piorando a rentabilidade do etanol internamente, esperávamos uma entrega substancial de açúcar contra o contrato futuro de NY a partir do vencimento das telas de julho (que expira em 30 de junho) e de outubro (que expira em 30 de setembro).

Nossa leitura era que para o vencimento maio, que expirou na quinta-feira passada, ainda não haveria volume suficiente de açúcar disponível para uma eventual entrega. No entanto, tivemos um volume recorde de 2,258 milhões de toneladas de açúcar que serão embarcadas pelo porto de Santos. Surpreendente.

Penso que os vendedores, evidentemente, não possuem disponível no porto neste momento a totalidade do açúcar a ser entregue, mas, também, contam com a relativamente provável hipótese de os compradores não nomearem o navio com tanta urgência. É uma aposta.

Como se sabe, quando ocorre a entrega física de açúcar proveniente da expiração de um contrato futuro, o vendedor (entregador) determina qual o porto que ele vai disponibilizar o produto para ser embarcado. Por outro lado, compete ao comprador apresentar o navio para carregar o produto no porto indicado pelo vendedor no prazo máximo de 75 dias a partir da expiração do contrato. Ou seja, grosso modo pode apresentar o navio até 15 de julho.

Se o comprador nomear o navio rapidamente indica que existe demanda no destino final, ou pelo menos ele quer fazer crer que há. Se demorar a nomear o navio, pode ser apenas uma estratégia para ganhar tempo apostando na recuperação do mercado e no estreitamento do basis (apreciação no prêmio negociado no físico) e então proceder com a negociação do produto no destino. Bem, isso é o que dizem os livros, cada uma toca sua estratégia com base nos fundamentos que acredita.

Já no feriado de sexta-feira, comentava-se no mercado que os compradores teriam nomeado navios para pelo menos 900,000 toneladas de açúcar. Se confirmadas as nomeações, NY deve reagir favoravelmente nos preços a partir de segunda-feira, bem como os prêmios do açúcar físico devem apreciar. Vamos observar.

Estamos, em verdade, vivendo um ioiô no mercado que reage muitas vezes erraticamente ao sabor das manchetes que pululam as agencias noticiosas, das oscilações disparatadas da moeda brasileira e dos humores dos operadores do mercado. Vivemos uma época de ciclotimia exacerbada. O melhor é fazer é manter o foco no planejamento.

O contrato futuro de açúcar em NY com vencimento em julho/20 encerrou a semana cotado a 10.80 centavos de dólar por libra-peso ou quase 100 pontos de alta em relação à semana anterior. Fixar preços de açúcar de exportação para os dois primeiros meses da próxima safra 2021/22 (vencimentos maio/21 e julho/21) liquida acima de 1,450 reais por tonelada FOB Santos, um preço atrativo para pelo menos ¾ das usinas do Centro-Sul, que não deveriam ignorar esses valores extremamente remuneradores. O mercado reagiu 180 pontos da mínima negociada na terça-feira de 9.21.

A semana teve aspectos positivos: a aprovação da CIDE para os combustíveis elevando para R$ 0,30 por litro do atuais R$ 0,10 mais a cobrança de um imposto de 15% na importação da gasolina, que deve representar um acréscimo de aproximadamente R$ 0,25 por litro no hidratado. A entrega volumosa de açúcar, embora de caráter neutro, pode atiçar o mercado à vista no curto prazo dependendo de quão rápida ocorrem as nomeações. Do lado negativo, temos que observar atentamente o comportamento do consumo mundial. Ainda assim, nesse campo, temos notícias para todos os gostos.

Como exemplo, segundo respeitados analistas, os recentes preços baixos do açúcar têm encorajado consumidores finais em aumentarem suas compras. Foi identificado acréscimo substancial nas compras de Indonésia e Rússia.

Por outro lado, segundo fontes da Archer Consulting na Índia, a quarentena deve se estender para além do dia 3 de maio. A maioria das atividades comerciais naquele país ainda é limitada, o comércio está funcionando parcialmente, cerca de 20% aproximadamente. O país enfrenta problemas com o trabalho de motoristas de caminhão já que muitos retornaram às suas cidades e temem voltar devido à pandemia. Estima-se que o consumo de gasolina e diesel tenha caído 50%, causando atrasos das empresas de petróleo em aceitar o etanol das usinas para fins de mistura.

Justamente nesse período em que o consumo indiano (verão) é alto, especificamente bebidas, sorvetes, sucos, confeitarias, demanda do Ramadã etc dessa vez, estão perdidas. Este também é o momento dos grandes casamentos indianos, que são uma grande fonte de consumo, pois todas as atividades foram suspensas ou adiadas. No geral, a perda mínima de consumo esperada é de 1.0-1.5 milhão de toneladas de açúcar; se o bloqueio se estender para junho, as perdas também aumentarão.

Ontem, no supermercado paguei R$ 1.69 por uma garrafa de água de 500 ml. Saí de lá e passei no posto de gasolina e abasteci o carro pagando R$ 2.48 no litro de etanol.

Com 26.01 óbitos por milhão de habitantes, o Brasil tem o menor índice de mortalidade entre todos os países com alta incidência de casos. No 44º dia após o primeiro óbito do covid-19, a Alemanha vem em segundo com 60.62 óbitos por milhão de habitantes. Depois seguem EUA com 79.48, França com 215.11, Reino Unido com 219.16, Itália com 254.51 e Espanha com 398.55.

Um bom final de semana

Arnaldo Luiz Corrêa

Fonte:
Archer Consulting

0 comentário