Estiagem: CMN deve anunciar hoje benefícios aos produtores do Sul

Publicado em 26/01/2012 10:09 757 exibições
Uma resolução que dá benefícios aos produtores de feijão, soja e milho afetados pela forte seca que castiga o Sul do país deverá ser aprovada pelo CMN - Conselho Monetário Nacional - nesta quinta-feira. Entre os benefícios, está a prorrogação do pagamento de empréstimos de crédito rural para custeio e investimento, inclusive de parcelas negociadas em anos anteriores. A medida atenderia os agricultores residentes em cidades que tiveram o estado de emergência declarado.

De acordo com informaçõs do Valor Econômico, o Ministério da Agricultura teria proposto ao CMN uma prorrogação das parcelas de dívidas com com vencimento entre 1º de janeiro e 30 de junho de 2012 para o dia 31 de julho dos produtores do Pronaf e da agricultura empresarial.

Além disso, o conselho poderia aprovar ainda o aumento em R$ 200 milhões do capital de um programa do BNDES para refinanciar dívidas das cooperativas conhecido como Prodecoop.

Já os agricultores que não contam com o seguro agrícola contarão com uma prorrogação para o pagamento de suas dívidas após um laudo feito por técnicos do governo que irá contabilizar as perdas.

"O produtor que deixar de pagar uma parcela de empréstimo de operações de investimentos já prorrogada anteriormente, e com vencimento em 2012, poderá transferir a cobrança para um ano após o pagamento da última parcela. As operações de custeio serão prorrogadas em até cinco anos para produtores que tiverem perdas comprovadas de até 30% da renda", informou o Valor.

Com essas medidas que devem ser anunciadas ainda hoje, o Ministério da Fazenda espera que os prejuízos dos produtores do Sul sejam menos severos e mantenham sua capacidade de investimento.

No entanto, caso as autoridades do governo se deparem com novas necessidades dos agricultores, novos benefícios podem ser apresentados. Entre eles, a criação de uma linha de crédito para fornecedores de insumos.

Com informações do Valor Econômico.

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário