DEM discute lançamento de Ronaldo Caiado à Presidência

Publicado em 14/10/2013 22:03
1189 exibições
por Lauro Jardim, de veja.com.br + Augusto Nunes

Primeiro passo

Duas possibilidade

Duas possibilidades

A cúpula do DEM vai se reunir hoje em Brasília para discutir pela primeira vez a possibilidade de lançar Ronaldo Caiado à presidência da República no ano que vem. Hoje, não passa de uma ideia embrionária.

Ainda que o plano Caiado morra antes mesmo de virar realidade, pelo menos agora o DEM tem um trunfo embaixo do braço para barganhar espaço e apoio de quem já está com a candidatura posta. Leia-se Aécio Neves.

Por Lauro Jardim

 

Onde Lula estará em 2014 e 2015

Lula: ainda sonhando com Campos

Lula: a campanha vem aí

Lula compraz-se em alimentar as especulações sobre uma eventual candidatura sua, substituindo Dilma Rousseff. Recentemente, num encontro com cinco empresários em São Paulo,  respondeu algo enigmático a respeito de onde ele estaria em janeiro de 2015.
Disse não saber, mas que em 2014 estaria “muito ativo politicamente”. Mais:
–  Vou rodar o Brasil, subir em palanques, participar ativamente das eleições.

Por Lauro Jardim

Dinheiro escasso

Aécio e Campos: evidências

Aécio e Campos: disputa por fundos

Um experiente arrecadador de fundos para eleições garante: não há hoje dinheiro para sustentar três pré-campanhas – o período que vai de hoje a meados de 2013. Como a parte de quem é governo está sempre garantida, Eduardo Campos e Aécio Neves terão que disputar a mesma grana.

Por Lauro Jardim

 

As pesquisas que erram até na véspera do dia da votação só param de eleger o candidato do PT (no primeiro turno) quando começa a apuração. São tão relevantes quanto uma previsão de Guido Mantega

ATUALIZADO ÀS 16H19

Se não estivessem ainda ressabiados com as manifestações de rua que escancararam a indignação do Brasil que começou a despertar, os donos do poder teriam incluído no balaio de espertezas disfarçado de “reforma política” o sistema de escolha do presidente da República: as urnas eletrônicas seriam substituídas pelos institutos de pesquisa e o voto pela intenção de voto. Tal mudança garantiria, já no primeiro turno, a vitória do candidato do PT em todas as disputas presidenciais.

Caso fosse adotada desde o começo deste século, a nova fórmula teria poupado Lula das canseiras do segundo turno em 2002, em 2006 e em 2010, quando conseguiu um terceiro mandato com o nome de Dilma Rousseff. E a afilhada do chefe supremo seria dispensada neste sábado de posar de concorrente ao troféu Miss Simpatia do Planalto distribuindo “grandes beijos”. Pode retomar a rotina dos pitos e chiliques, avisam os resultados da pesquisa Datafolha que, no segundo sábado de outubro de 2013, liberou a seita lulopetista para comemorar o triunfo de Dilma em outubro de 2014. No primeiro turno, naturalmente.

Só crédulos profissionais conseguem enxergar revelações que antecipam o futuro no cipoal de porcentagens parido com um ano de antecedência por gente que erra feio até em véspera da eleição. Em 3 de outubro de 2006, por exemplo, quando a votação de verdade começou, Geraldo Alckmin já fora goleado por Lula ─ por 49% a 30% no Ibope e por 49% a 35% no Datafolha. Encerrada a apuração oficial, as pitonisas de sempre saíram à caça de álibis para explicar os 41% alcançados pelo candidato do PSDB, muitos pontos percentuais e alguns milhões de votos acima do que haviam previsto.

Não encontraram álibi nenhum. Nem pediram desculpas. Tampouco providenciaram justificativas palatáveis quatro anos depois, quando o Vox Populi e o Sensus se juntaram ao Datafolha e ao Ibope para a consumação de um duplo assassinato estatístico. O tucano José Serra chegou ao dia da eleição resfolegando na ladeira que ia dos 25,6% do Sensus aos 28% do Datafolha. Marina Silva, do Partido Verde, patinava entre os 12% do Vox Populi e os 14% do Datafolha. Flutuando nas cercanias dos 50%, Dilma acordou em 3 de outubro de 2010 sonhando com o terninho da posse. Soube à noite que os 46,9% do total de votos válidos eram insuficientes para superar a soma dos 32,6% de Serra (sete pontos acima da última profecia do Vox Populi) e dos desmoralizantes 19,3% de Marina.

Contra Aécio e Campos, Dilma venceria no primeiro turno, proclamou neste sábado a manchete da edição da Folha que publicou a mais recente pesquisa sobre a sucessáo de 2014. O espaço mais nobre do jornal poderia ter registrado o declínio da colecionadora de recordes de popularidade que, ainda há pouco, surfava em altitudes superiores a 70%. Também poderia ter destacado o crescimento dos concorrentes. Preferiu anunciar a reeleição no primeiro turno.

Feitas em sequência, pesquisas honestas ajudam a retratar determinados momentos e desenham curvas que permitem identificar tendências. Só isso. Ou nem isso, no caso do último levantamento do Datafolha, o primeiro produzido depois da recentíssima aliança entre Eduardo Campos e Marina Silva. A campanha ainda está nos trabalhos de parto. Oficialmente, não existem sequer candidatos. A presidente está pendurada em palanques desde 2007, mas os candidatos da oposição nem completaram a fase de aquecimento. E o Brasil de agora não é o mesmo de 2010.

Lula e Dilma nunca enfrentaram adversários que falassem e agissem como oposicionistas de verdade. Jamais duelaram com gente decidida a exonerar-se da cautela que é o outro nome do medo para, trocando os cuidados defensivos pelo ataque audacioso, combater com bravura. Desta vez terá de ser diferente. Milhões de brasileiros estão fartos de escolher por exclusão e votar no menos pior. Querem eleger alguém que exponha sem rodeios nem firulas os estragos causados por 11 anos de hegemonia lulopetista.

Na campanha de 2010, o padrinho e a afilhada mentiram impunemente. Festejaram sem revides o Brasil Maravilha que as manifestações de junho sepultaram em cova rasa. Gabaram-se de feitos alheios, celebraram colossos administrativos que nunca desceram dos palanques, promoveram-se a domadores da inflação que vai ganhando musculatura, viajaram no trem-bala, banharam-se nos barris do pré-sal, rebaixaram a invencionice da elite golpista o mensalão que vai dar cadeia.  Fizeram o diabo, como Dilma confessou que faz em temporadas eleitorais.

Passados três anos, está claro que o país que votou na ministra que tudo sabia e de tudo entendia elegeu uma mulher que não consegue dizer coisa com coisa (e, se conseguisse, nada diria de aproveitável). Quem votou na gerente durona que não tolerava corruptos contratou a única faxineira do mundo que adora lixo. Quem acreditou na superexecutiva de impressionar executivo alemã acabou entregando o país a uma assombrosa mediocridade que não concluiu uma única e escassa obra física de grande porte. Já sabem disso as multidões que saíram as ruas no fim do primeiro semestre.

Por enquanto, nenhum dos oposicionistas que sonham com o Palácio do Planalto apontou publicamente a nudez do reizinho gabola e da rainha tatibitate. Só quem for suficientemente corajoso para desmascarar os embusteiros conseguirá derrotar todos os concorrentes (e todos os institutos de pesquisa). Só alguém assim merecerá a Presidência da República.

(por Augusto Nunes)

O delírio sobre crianças e cachorros ocultos amplia o mistério: como é que um candidato consegue ser derrotado por Dilma Rousseff?

O que disse a presidente no Dia da Criança, durante a visita ao Rio Grande do Sul, foi tão espantoso que mesmo alguns leitores da coluna ficaram desconfiados: seria alguma brincadeira do jornalista Celso Arnaldo Araújo? É tudo verdade, prova o áudio enviado pelo descobridor do dilmês. Ouçam o dedilhar da lira do delírio:

Continua parecendo mentira, mas é isso aí: “Se hoje é o Dia das Crianças, ontem eu disse que criança… o dia da criança é dia da mãe, do pai e das professoras, mas também é o dia dos animais. Sempre que você olha uma criança, há sempre uma figura oculta, que é um cachorro atrás, o que é algo muito importante”.

Há sempre alguma lógica por trás de qualquer loucura, certo? Errado, avisa Dilma Rousseff desde que desandou a falar em 2007. E certos palavrórios amalucados são apenas coisa de hospício. Já é estranho enfiar pai, mãe e professoras numa discurseira sobre o Dia da Criança. Se pensou em homenagear figuras associadas à garotada, deveria ter incluído avôs, avós, babás, colegas de escola, parteiros, pediatras, fabricantes de brinquedos, fora o resto.

Perplexa com o início da salada retórica, a lógica foi acuada pela evocação dos animais e nocauteada pelo cachorro oculto. Por que um cachorro? Por que oculto? Por que atrás da criança, e não à frente, à esquerda ou à direita? Isso só o neurônio solitário sabe. E não vai revelar a ninguém porque não diz coisa com coisa.

É difícil imaginar o que se passou com o neurônio solitário naqueles 31 segundos. Mais difícil ainda é entender como é que um candidato consegue não ganhar um debate na TV com Dilma Rousseff  ─ e perder a eleição para quem vê, por trás de toda criança, um cachorro. Oculto.

(por Augusto Nunes).

 

Tags:
Fonte: Blog Lauro Jardim (veja.com.br)

Nenhum comentário