Bloomberg: China busca proteger terras agrícolas na batalha pela segurança alimentar

Publicado em 02/12/2020 11:31 121 exibições

A China, o maior consumidor mundial de alimentos, está intensificando os esforços para proteger as áreas de grãos do país como parte de uma iniciativa para proteger o abastecimento em um momento em que a pandemia do coronavírus está perturbando os mercados globais.

As terras agrícolas destinadas aos grãos foram trocadas por culturas diferentes ou usadas para outros fins, o que poderia ameaçar a segurança alimentar do país, especialmente em momentos como este, quando a pandemia interrompeu as cadeias de abastecimento internacionais, disse o ministério da agricultura na terça-feira.

As importações de milho da China estão disparando este ano, à medida que o número de suínos representa uma recuperação dramática da peste suína africana e depois que o governo esgotou os estoques do estado em uma tentativa de esfriar os preços recordes. Isso gerou preocupações de que o segundo maior consumidor do mundo poderia se tornar o maior importador, assim como a soja, para onde o país agora leva cerca de 60% dos embarques globais.

Algumas áreas na China já viram uma redução na área cultivada com grãos, enquanto em outras, as empresas usaram terras permanentes para plantar árvores ou criar peixes, disse o ministério. Algumas empresas comerciais tiveram sucesso na contratação de grandes extensões de terras agrícolas, mas estão cultivando safras que não sejam de grãos, disse.

Prioridade de grãos

“Temos que estabilizar a produção doméstica priorizando a produção de grãos nas limitadas terras agrícolas disponíveis”, disse o ministério. Terras agrícolas permanentes devem ser usadas apenas para o cultivo de arroz, trigo e milho, disse.

A China está construindo zonas de grãos importantes, consistindo em grandes pedaços de terras agrícolas permanentes, com solo de alta qualidade e instalações de irrigação eficientes. Isso é para garantir taxas de autossuficiência de mais de 90% para cereais e 95% para arroz e trigo, disse. O governo vai melhorar os preços mínimos de compra para o trigo e o arroz e continuar a oferecer subsídios para o milho, a soja e o arroz.

Os comentários do ministério seguiram uma diretriz do Conselho de Estado emitida no mês passado para todos os governos locais proibindo novas mudanças nas terras agrícolas para culturas não-grãos. Os governadores locais serão responsabilizados por essas mudanças e as safras serão monitoradas regularmente por meio do uso de tecnologia de sensoriamento remoto por satélite.

Tags:
Fonte:
Bloomberg

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário