Bloomberg: Redução dos estoques de café robusta no Vietnã faz produtores segurarem vendas

Publicado em 12/05/2014 15:18 533 exibições

As vendas pelos produtores do Vietnã, o maior produtor de café robusta (conilon) do mundo, variedade usada na produção de café solúvel pela Nestlé, estão mais reduzidas depois que os estoques caíram 54%. 

Os estoques do país caíram para 390 mil toneladas no final de abril, ou seja, apenas 23%  da safra recorde de 1,7 milhões de toneladas. O volume atual representa menos de 27% do volume registrado no mesmo período do ano passado e da média de 25% registrada nos últimos cinco anos. Os estoques estavam em 850 mil toneladas na semana de 7 de março, um volume recorde para esta época do ano. 

Alta nos preços
A redução dos estoques deve provocar uma alta nos preços do café robusta, que já teve alta de 24% este ano, e diminuir ainda mais a diferença de preço com o arábica, variedade considerada superior e usada pela cafeteria norte-americana Starbucks. O café arábica registrou alta de mais de 90% este ano, em função da seca prolongada que atingiu regiões produtoras no Brasil. 

Em 2011, quando uma forte geada danificou cafezais brasileiros, os preços do arábica atingiram as maiores altas em 14 anos, o que fez com que muitas torrefadoras usassem mais robusta em seus blends para limitar os custos. 

“Há muita informação de que o mercado deve se manter em alta, por isso os produtores estão segurando seus estoques”, informou Tran Tuyen Huan, diretor geral da trader Asia Commodities Joint Sotck Co., baseada na cidade de Ho Chi Minh. “A maior parte dos cafés estão sendo guardados por cafeicultores mais ricos, que podem esperar por preços melhores”, ele afirmou. A colheita no Vietnã começa em outubro. 

Quebra na safra brasileira
A safra de café no Brasil deve ter uma quebra maior que o esperado na temporada de 2014-2015. De acordo com a trader Marex Spectron, baseada em Londres, a safra que estava prevista em 55 milhões de sacas em janeiro deverá ficar em torno de 49 milhões de sacas. A redução deixaria a produção global de 7,1 milhões de sacas. Porém, outros grupos e instituições como o CNC (Conselho Nacional do Café) e o banco Citigroup já estimam uma safra de 45 milhões de sacas. Esse seria o maior déficit desde a temporada 2009-2010, segundo informações do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). 

Enquanto os produtores brasileiros estiverem colhendo a maior parte de sua safra, entre maio e julho, a equipe da Somar Meteorologia prevê a chegada do fenômeno El Niño, que poderá reduzir ainda mais a umidade no país e causar mais danos para a safra. 

Preços do café no Vietnã 
Depois que o preço do café atingiu o menor preço em 3 anos no Vietnã, em novembro do ano passado, os produtores seguraram suas vendas e conseguiram provocar uma recuperação nos preços.  Em março deste ano, a tonelada era comercializada a US$ 2.218 a tonelada, o maior valor desde 2012. 

“A forte recuperação dos preços deixou os produtores animados”, afirmou Alexander Gruber, gerente de vendas da Tong Teik Pte, uma empresa do grupo RCMA Commodities Asia Pte. “Nós já passamos do período de pico de comercialização, por isso os produtores estão desacelerando as vendas”, disse Gruber. 

A expectativa é que os produtores guardem entre 20% a 25% desta safra, de acordo com a trader de commodities ED&F Man Holdings Ltd. 

Produção do Vietnã
Cerca de 30% da produção de café do Vietnã está localizada na província de Dak Lak. Nos primeiros quatro meses deste ano, o país embarcou 822 mil toneladas de café, ou seja, 39% a mais em relação ao ano passado, de acordo com o Escritório Geral de Estatísticas do Vietnã. Mas a expectativas são de que o país exporte 25,1 milhões de sacas, saindo de um volume de 28,5 milhões de sacas em 2013-14, de acordo com dados do USDA. 

El Niño
“Eu não estou interessado em vender agora, pois já consegui preços melhores em março”, disse Phung Van Long, cafeicultor de Dak Lak. “Eu também ouvi notícias de que o El Niño é uma ameaça para a produção no Brasil, então acho que os preços irão subir novamente”. Long ainda tem 3 toneladas guardadas de sua produção de 17 toneladas. 

Custo de transporte elevado 
Os produtores também estão mais hesitantes para vender depois do aumento nos custos de transporte no país. No dia 1º de abril autoridades vietnamitas iniciaram uma campanha para inspecionar caminhões com cargas pesadas e limitar o peso transportado, implantando balanças de veículos em algumas rodovias. Essa medida á elevou os custos de transporte e logística em US$ 22 a tonelada, já que um maior número de caminhões é necessário para transportar o mesmo volume de mercadorias. 

“O aumento nos custos de transporte foram repassados para os produtores”, afirmou Huan, da Asia Commodities. “Por estarem no final da cadeia de abastecimento, eles sofrem mais, pois têm menos poder de barganha do que os comerciantes". 

Informações: Bloomberg

Tradução: Fernanda Bellei 

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário