Café: Mercado devolve ganhos da sessão anterior com chuva no Brasil

Publicado em 03/09/2014 16:04 e atualizado em 03/09/2014 17:05 604 exibições

Nesta quarta-feira (2), a Bolsa de Nova York (ICE Futures US) para o café arábica encerrou suas operações com queda devolvendo os ganhos da sessão anterior, após consecutivas altas nos últimos dias e registrar o patamar mais alto em quatro meses na sessão de ontem. O mercado já registra no acumulado 74,7% de alta.

Segundo analistas, a Bolsa está refletindo a chuva que caiu em algumas regiões produtoras de café. Na cidade de Monte Santo de Minas, por exemplo, a chuva foi de 31,6mm, segundo a Cooxupé.

O contrato dezembro/15, anotou 202,30 cents de dólar por libra peso, o março/15 anotou 206,25 cents/lb, ambos com queda de 715 pontos. Os contratos com entrega mais distante também registraram alta, o maio/15 anotou 208,25 cents/lb com 700 pontos no negativo e o julho/15 encerrou a sessão com 209,10 cents/lb e queda de 675 pontos.

De acordo com o analista de mercado do Escritório Carvalhaes, Eduardo Carvalhaes, apesar da baixa registrada na sessão desta quarta-feira (3), o mercado deve continuar volátil. “O café tem apresentado balanços positivos e com essas chuvas sempre acaba estimulando os operadores a liquidar posição. Apesar dessa baixa de hoje, os preços se sustentam acima dos US$ 2 a libra peso e vamos continuar com essa volatilidade até que fique claro o tamanho da safra 2015”, diz.

O analista acredita que Nova York deve registrar altas no final do mês, só fechando no vermelho caso a florada de setembro for grande e se chover consideravelmente.

Segundo informações reportadas pela Reuters, apesar da chuva em algumas lavouras produtoras de café arábica, os cafezais só deverão ter mais precipitações na segunda quinzena de setembro, segundo dados da Somar.

Para Carvalhaes, os produtores também estão atentos à safra 2015 e já começam a segurar o grão em estoque. “Os cafeicultores estão evitando vender café porque ele deve ajudar na próxima safra, que para muitos produtores deve ser menor do que essa. Tudo isso faz com que ele pense em renegociar os financiamentos para segurar mais tempo o café”, diz.

O mercado físico está estável e vem remunerando bem o produtor. “Os preços não são ruins, a partir da semana passada os melhores cafés voltaram a ser negociados na faixa de R$ 500 a saca e vem caindo até R$ 400 para os mais fracos de exportação”, afirma Carvalhaes.

Tags:
Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • victor angelo p ferreira victorvapf nepomuceno - MG

    A chuva aquí, apagou a poeira... Podia ter chovido muito mesmo, conforme o pessoal da bolsa achou...A situação está tão crítica desta falta dágua, que meu vizinho, está buscando ãgua na cidade pra dar para o seu gado..Ontem mesmo eu ví seu tratorista passar na estrada com sua carretinha de duzentos litros...Café? Se tivesse uma pesquisa de preocupação do produtor com a seca e com o café, a seca ganharia de lavada!

    0
  • Frank Scanavachi Guapé - MG

    Chuva? Cadê!! Quando!! Onde!! Passou foi uma ventania danada! Mai rápida que o Airton Senna! 10mm aqui 12 ali 15 acolá! 8 meses de mínimas chuvas e o café não reage! Passa uma pancada de chuva e ventania em alguns locais e o preço desaba! Vai entender!

    0