Café: Mercado opera em alta com chuva apenas para segunda quinzena do mês

Publicado em 04/09/2014 10:39 e atualizado em 05/09/2014 10:21 606 exibições

Os futuros do café arábica operam com alta volatilidade na Bolsa de Nova York nesta quinta-feira (4).  Por volta de 12h44 (horário de Brasília), os principais contratos operavam acima dos 200 cents. O vencimento dezembro/14 operava com 202,80 centavos de dólar por libra peso e alta de 35 pontos, o março/15 registrava 206,80 cents/lb, no positivo em 55 pontos. O maio/15 anotava 208,80 cents/lb com alta de 55 pontos e o julho/15 operava com baixa considerável de 535 pontos em relação ao fechamento do dia anterior, com 203,75 cents/lb.

Pela manhã, todos os contratos registravam queda acima dos 500 pontos devido a chuva que caiu em algumas localidades na terça e quarta-feira. O contrato mais negociado, dezembro/14 chegou a mínima de 195,30 centavos de dólar.

Segundo analistas, os ganhos na Bolsa de Nova York são reflexos da manutenção de seca no Brasil. De acordo com a Somar Meteorologia, as principais regiões produtoras devem ficar sem chuvas pelas próximas duas semanas, prejudicando as perspectivas para a próxima safra visto que a florada precoce que nasceu com as chuvas de julho podem não vingar.

De acordo com a Reuters, apesar da chuva em algumas localidades, os cafezais só deverão ter mais precipitações na segunda quinzena de setembro. 

 

Veja como fechou o mercado na última quarta-feira

Café: Mercado devolve ganhos da sessão anterior com chuva no Brasil

Por Jhonatas Simião

Nesta quarta-feira (2), a Bolsa de Nova York (ICE Futures US) para o café arábica encerrou suas operações com queda devolvendo os ganhos da sessão anterior, após consecutivas altas nos últimos dias e registrar o patamar mais alto em quatro meses na sessão de ontem. O mercado já registra no acumulado 74,7% de alta.

Segundo analistas, a Bolsa está refletindo a chuva que caiu em algumas regiões produtoras de café. Na cidade de Monte Santo de Minas, por exemplo, a chuva foi de 31,6mm, segundo a Cooxupé.

O contrato dezembro/15, anotou 202,30 cents de dólar por libra peso, o março/15 anotou 206,25 cents/lb, ambos com queda de 715 pontos. Os contratos com entrega mais distante também registraram alta, o maio/15 anotou 208,25 cents/lb com 700 pontos no negativo e o julho/15 encerrou a sessão com 209,10 cents/lb e queda de 675 pontos.

De acordo com o analista de mercado do Escritório Carvalhaes, Eduardo Carvalhaes, apesar da baixa registrada na sessão desta quarta-feira (3), o mercado deve continuar volátil. “O café tem apresentado balanços positivos e com essas chuvas sempre acaba estimulando os operadores a liquidar posição. Apesar dessa baixa de hoje, os preços se sustentam acima dos US$ 2 a libra peso e vamos continuar com essa volatilidade até que fique claro o tamanho da safra 2015”, diz.

O analista acredita que Nova York deve registrar altas no final do mês, só fechando no vermelho caso a florada de setembro for grande e se chover consideravelmente.

Segundo informações reportadas pela Reuters, apesar da chuva em algumas lavouras produtoras de café arábica, os cafezais só deverão ter mais precipitações na segunda quinzena de setembro, segundo dados da Somar.

Para Carvalhaes, os produtores também estão atentos à safra 2015 e já começam a segurar o grão em estoque. “Os cafeicultores estão evitando vender café porque ele deve ajudar na próxima safra, que para muitos produtores deve ser menor do que essa. Tudo isso faz com que ele pense em renegociar os financiamentos para segurar mais tempo o café”, diz.

O mercado físico está estável e vem remunerando bem o produtor. “Os preços não são ruins, a partir da semana passada os melhores cafés voltaram a ser negociados na faixa de R$ 500 a saca e vem caindo até R$ 400 para os mais fracos de exportação”, afirma Carvalhaes.

Tags:
Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Lucas Costa Moterani Machado - MG

    Sou produtor de café de Machado sul de Minas, e houve somente uma chuva ate agora, ocorreu no período da noite, foi uma tempestade que só causou danos, gado morto por raios e muito vento, uma chuva nada produtiva. Após este evento não ha sinal algum de chuva, e as previsões mais confiáveis mostram nenhuma tendencia de chuva para os próximos 15 dias. Esse balanço negativo da bolsa, esta sustentado por uma falacia, é uma jogada para se derrubar a escalada de preços do café, minha produção teve uma queda de 50%, essa é a nossa realidade, e a realidade desse movimento negativista é a derrubada da bolsa para que as cotações comecem a subir de baixo evitado um pagamento relativo a realidade, realidade que não é nada boa para o produtor, estes ainda sendo subjugados e humilhados por traders e especuladores tendenciosos! A chuva que precisamos para a produção não veio e não parece nem estar perto. NÃO TEMOS CAFÉ E NÃO TEMOS PERSPECTIVA DE UMA SAFRA AO MENOS DESCENTE PARA 2015!

    0