Café: Mercado fecha em baixa com estimativa de safra 2015 da Conab

Publicado em 12/09/2014 16:50 e atualizado em 14/09/2014 09:35 865 exibições

Os futuros do café arábica registraram queda nesta sexta-feira (12) na Bolsa de Nova York influenciada pela estimativa da Conab que elevou a safra de 2015. O vencimento dezembro/14 registrou 184,55 cents de dólar por libra peso, o março/15 fechou com 188,60 cents/lb, e o maio/15 teve preço de 191,00 cents/lb, todos com ganhos de 70 pontos. O vencimento julho/15 encerrou a sessão com 192,70 cents/lb e queda de 70 pontos.

Nesta quinta-feira (11), a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgou estimativa com base em tendências e estatísticas para a safra 2015, que deverá atingir 48,83 milhões de sacas de 60 kg, um aumento da produção de 9,6 por cento.

De acordo com o analista de mercado do Escritório Carvalhaes, Eduardo Carvalhaes, a informação da Conab não reflete a realidade das lavouras, o que torna o levantamento questionável. “Essa estimativa não leva em conta a seca e o estado dos cafezais. Os interesses no mercado são grandes e o produtor fica desorientado com informações como essas. Pra mim essa informação não tem valor algum”, afirma.

O Presidente da Cocatrel, Francisco Miranda Filho, também acredita que a estimativa não é compatível com a realidade do mercado. “Não conseguimos entender a divulgação, nós estamos vivendo a maior seca no Sul de Minas e a safra de 2015 é uma incógnita”, disse em entrevista ao programa Mercado & Cia, apresentado por João Batista Olivi.

O levantamento oficial para a safra de 2015 com base em dados de campo deve acontecer somente no início do próximo ano. E na próxima terça-feira (16), a Companhia divulgará o 3º levantamento da safra atual, que já foi colhida.

Outro fator que influenciou a queda na Bolsa de Nova York foi a valorização do dólar contra o real no Brasil, com a possibilidade de maior competitividade nas exportações.

Déficit hídrico e florada

A Fundação Procafé divulgou nesta quarta-feira (10), dados sobre o déficit hídrico na região Sul do Estado de Minas Gerais. Segundo o levantamento, a região está próxima da maior seca da história. O município de Varginha-MG tem déficit hídrico de 181,9 mm, Carmo de Minas 167,9 mm e Boa Esperança registrou déficit de 226,4 mm. Com a realidade climática, a Prócafé estima que a safra de 2015 tenha quebra de 20%

Segundo o engenheiro agrônomo e pesquisador da Prócafé, Alisson Fagundes, a principal florada do café no Sul de Minas deve começar nos próximos dias. No entanto, sem perspectiva de chuvas as flores podem não resistir. “Não temos perspectiva de chuva na região, a florada deve começar entre sábado e domingo. Porém, sem chuva acreditamos que o pegamento será péssimo”, afirma.

Segundo o cafeicultor, Francisco Miranda, as floradas em sua lavoura na cidade de Três Pontas-MG iniciaram de forma esporádica, nas plantas novas ou esqueletadas e tem florada de ponteiro. “Tivemos florada de capote em solos melhores. Mas a situação na região é crítica, na minha fazenda de janeiro até agora choveu 330 mm. No ano passado, nesse período tivemos precipitação de mais de mil milímetros”, ressalta.

EXPORTAÇÕES DE CAFÉ CRESCEM 13,4% EM AGOSTO, SEGUNDO CECAFÉ 

      As exportações brasileiras de café em agosto atingiram um total, somando o grão verde e o produto industrializado, de 3,016 milhões de sacas de 60 quilos, com incremento de 13,4% no comparativo com igual período de 2013, quando agosto teve desempenho de 2,660 milhões de sacas. Os dados partem do balanço das exportações divulgado pelo Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

     A receita com as exportações totais de agosto chegou a US$ 565,788 milhões, com aumento de 40,1% contra agosto de 2013 (US$ 403,878 milhões).

     A receita cambial relativa às exportações dos dois primeiros meses da safra 2014/15 (US$ 1,131 bilhão) foi 50% superior em relação à registrada no mesmo período da safra passada, representando um acréscimo de US$ 377,022 milhões. O volume, por sua vez, apresentou um aumento de 23,6% na mesma base comparativa. Foram exportadas 6.046.957 sacas (verde, torrado & moído e solúvel), contra 4.893.002 em julho e agosto do ano passado.

     Guilherme Braga, diretor-geral do Cecafé, diz que o "volume exportado no período de janeiro/agosto do corrente ano (23.626.110 milhões de sacas) confirma o bom desempenho das exportações em 2014 e segue em linha com a expectativa de que o ano civil se encerre com cerca de 34 a 35 milhões de sacas exportadas, ou seja, com uma alta de 8 a 11% em relação a 2013. Os preços, da mesma forma, continuam em processo de melhoria, o que já vem ocorrendo há alguns meses e em agosto registraram um crescimento de 23,6% em comparação ao mesmo mês no ano passado. Isso nos leva a crer que teremos um resultado igualmente satisfatório em termos de receita este ano. Também houve um crescimento de 140% nas exportações de café conillon, passando de 330.452 sacas em julho e agosto de 2013 para 794.610 em 2014. No período de janeiro/agosto de 2014, o acumulado das vendas externas do robusta brasileiro mostra um volume de 1,989 milhão de saca s, resultado da excelente safra colhida neste ano, em volume e qualidade, que vem permitindo embarques consistentes a partir de abril/2014. Considerado o período de 12 meses, setembro de 2013 a agosto/2014, os embarques atingem o equivalente a 35,282 milhões de sacas e uma receita de US$ 5,731 bilhões. Destaques para a exportação de 29,726 milhões de sacas de café arábica, de 2,405 milhões de sacas de café conillon e vendas de café soluvel equivalentes a 3,571 milhões de sacas".

ANO

     No acumulado dos oito primeiros meses de 2014 (janeiro a agosto), as exportações totais brasileiras de café ficaram em 23,626 milhões de sacas de 60 quilos. Isso representa uma elevação de 18,1% no comparativo com igual período de 2013, quando os embarques totais foram de 20,004 milhões de sacas. A receita nos oito primeiros meses de 2014 chega a US$ 4,030 bilhões no total, incremento de 14,6% no comparativo com janeiro a agosto de 2013 (US$ 3,517 bilhões). O preço médio das exportações na média de janeiro a agosto foi de US$ 170,57 a saca, baixa de 3,0% sobre o mesmo período de 2013 (US$ 175,84 a saca).

     Lessandro Carvalho ([email protected]) / Agência SAFRAS

Veja as cotações completas de café nesta sexta-feira (12). 

Tags:
Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário