Café: NY fecha em baixa à espera de novidades; Consultoria prevê safra 2015 entre 43 mi e 45 mi

Publicado em 13/10/2014 17:55 452 exibições

A Bolsa de Nova York (ICE Futures US) para o café arábica encerrou esta segunda-feira (13), com preços mais baixos. A sessão foi marcado por ampla volatilidade operando durante o dia no campo positivo e negativo.

O contrato dezembro/14 registrou 218,10 cents de dólar por libra peso e queda de 230 pontos, o março/15 anotou 225,10 cents/lb com desvalorização de 220 pontos. O maio/15 encerrou a sessão cotado a 227,00 cents/lb com baixa de 225 pontos e o julho/15 teve recuo de 230 pontos com 229,15 cents/lb.

De acordo com o analista de mercado da Safras&Mercado, Gil Carlos Barabach, apesar da baixa o mercado segue influenciado pela questão climática no Brasil. “A falta de chuva e temperatura elevada levaram Nova York a novas tentativas de alta durante a sessão. No entanto, no final prevaleceu os fatores técnicos”.

Segundo Barabach, esses fatores técnicos têm várias origens como o rompimento da linha dos 220,00 cents de dólar por libra peso e as vendas da safra da Colômbia e Vietnã com o mercado mais interessante para o lado da venda.

Ainda de acordo com o analista, é preciso novidades para as cotações romperem o patamar 220,00 cents de dólar por libra peso. “Estamos ainda em um mercado de clima, sem chuvas que tragam tranquilidade para produção. A grande florada ainda não aconteceu no Brasil e outubro ainda tem sido um mês atípico”, afirma o analista.

Sem precipitações regulares para reverter o déficit hídrico e à espera de floradas que devem confirmar números para a safra 2015, o produtor segue preocupado. De acordo com dados da consultoria norte-americana Hackett Financial Advisors, a safra brasileira de café deve ser entre 43 milhões e 45 milhões de sacas de 60 kg.

>> Calor pode agravar problemas em áreas de café e cana do Brasil

Mercado interno

De acordo com Barabach, o produtor está aproveitando as puxadas no mercado para fazer negócios com o café disponível e oxigenando o caixa, mas sem vender toda a produção de uma única vez.

Segundo o cafeicultor e consultor 

de mercado, Marco Antônio Jacob, grande dos produtores anteciparam muito venda de café futuro e estão com pouca saca em estoque. "O que resta de café é para ser negociado no ano que vem", afirma.

Nesta segunda-feira (13), na cidade de Guaxupé-MG, o cereja descascada está cotado a R$ 570,00 a saca de 60 kg com valorização de 0,35%, o arábica tipo 6 duro tem preço melhor em Espírito Santo do Pinhal-SP com 520,00 a saca — valor estável em relação à sessão anterior.

O Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 registrou baixa na sexta-feira (10) e está cotado a 507,07 a saca de 60 kg e valorização de 0,78%.

Seguindo NY, tipo 4/5 encerra no campo negativo na BM&F Bovespa

As cotações do café arábica tipo 4/5 finalizaram a sessão desta segunda-feira (13) na BM&F Bovespa com baixa. O vencimento dezembro/14 encerrou o dia cotado a US$ 247,60 a saca de 60 kg com baixa de 1,61%, o março/15 teve 1,38% negativos com US$ 253,50 e o setembro/15 anotou US$ 272,50 a saca com 1,52% de desvalorização. Para o tipo 6/7, foi mais um dia sem negócios.

Liffe registra alta em Londres

As cotações do café robusta na Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (Liffe) registraram alta na sessão desta segunda-feira (13). O contrato novembro/14 está cotado a US$ 2.170 por tonelada com elevação de 11 pontos e o janeiro apresentou baixa de 13 pontos e está cotado a US$ 2.189.

Veja as cotações completas de café nesta segunda-feira (13).

Tags:
Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário