Café: Bolsa de NY registra leves quedas para os futuros nesta terça-feira

Publicado em 20/08/2019 12:01 e atualizado em 20/08/2019 17:25
214 exibições
Enfraquecimento do real pressiona as cotações

LOGO nalogo

A Bolsa de Nova York segue operando com poucas movimentações para os vencimentos do café arábica. Por volta das 11h46 (horário de Brasília), as principais cotações registravam baixas entre 80 e 95 pontos.

O contrato Setembro/19 tinha baixa de 95 pontos, a 90,20 cents/lb. Para o contrato Dezembro/19, a desvalorização era de 80 pontos, a 94,00 cents/lb. Março/20 acumulava perda de 85 pontos, a 97,55 cents/lb e Maio/20, queda de 85 pontos, a 99,95 cents/lb.

Segundo informações do site Business Recorder, os preços do café arábica na ICE atingiram a mínima de três meses nesta terça-feira, com o mercado vulnerável no curto prazo devido ao enfraquecimento do real e ao excesso de oferta no curto prazo.

“Um real fraco permite que os exportadores no Brasil levantem mais dinheiro em moeda local ao vender café denominado em dólar”, comenta o analista Parvez Jabri.

A publicação ainda aponta que o índice do dólar subiu, impulsionado por rendimentos do Tesouro ligeiramente mais elevados e, como investidores, apostaram que medidas de estímulo na China e na Alemanha ajudariam a evitar uma desaceleração econômica global. Este aumento no dólar é um mau presságio para o real, que atingiu uma baixa de três meses em relação à moeda norte-americana na segunda-feira e perdeu cerca de 8% no mês passado.

“O mercado é vulnerável no curto prazo porque o real é baixo e os fundos são curtos em arábica, mas não perto dos recordes”, disse Carlos Mera, analista sênior de commodities do Rabobank.

O mercado de café também continua absorvendo o excesso de oferta nas proximidades após uma grande safra no Brasil no ano passado. “Em algum momento, a safra menor de 2019/20 (brasileira) começará a ter um impacto, mas isso pode não acontecer por vários meses”, disse Marex Spectron em uma nota.

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário