Café tem dia de monitoramento do clima no Brasil e avança 1,07% em Nova York

Publicado em 17/05/2022 17:02
Em Londres e no mercado físico dia foi com variações mais leves nesta 3ª feira

Logotipo Notícias Agrícolas

O mercado futuro do café arábica encerrou as negociações desta terça-feira (17) com valorizãção para os principais contratos na Bolsa de Nova York (ICE Future US). 

Julho/22 teve alta de 240 pontos, negociado por 227,20 cents/lbp, setembro/22 teve alta de 240 pontos, cotado por 227,25 cents/lbp, dezembro/22 teve valorização de 240 pontos, valendo 226,90 cents/lbp e março/23 tinha baixa de 235 pontos, cotado por 225,95 cents/lbp. 

"Os preços do café continuam sustentados pelas preocupações com as geadas desta semana no Brasil. A Climatempo disse na segunda-feira que uma frente fria nesta quarta-feira avançará para Minas Gerais, potencialmente produzindo geadas e prejudicando as lavouras de café arábica na região", destacou a análise do site internacional Barchart. 

Além da Climatempo, outras consultorias meteorologicas e o próprio Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) mantêm a previsão de frio intenso nas próximas horas. As áreas de produção no Paraná têm mais risco para geadas, mas a tendência é que o frio também avance para outras regiões cafeeiras como em São Paulo e no Sul de Minas Gerais. O cenário continua sendo de monitoramento, de acordo com liderenças do setor no Brasil. 

Em Londres, o café tipo conilon também teve um dia de valorização. Julho/22 teve alta de US$ 17 por tonelada, valendo US$ 2104, setembro/22 teve valorização de US$ 17 por tonelada, negociado por US$ 2105, novembro/22 teve alta de US$ 17 por tonelada, valendo US$ 2100 e janeiro/23 teve alta de US$ 16 por tonelada, negociado por US$ 2096. 

"A preocupação com a oferta menor de café do Vietnã apoia os preços do conilon. A Associação de Café e Cacau do Vietnã alertou na quarta-feira passada que os altos preços dos fertilizantes podem forçar os cafeicultores a reduzir o uso de fertilizantes, o que pode levar a uma queda de 10% na produção de café na próxima temporada", voltou a destacar a análise internacional. 

No Brasil, em dia também marcado por queda acentuada do dólar ante ao real, o mercado físico teve um dia de poucas variações nas principais praças de comercialização do país. 

O tipo 6 bebida dura bica corrida teve queda de 1,48% em Poços de Caldas/MG, negociado por R$ 1.330,00, Varginha/MG teve alta de 0,76%, valendo R$ 1.330,00 e Franca/SP teve queda de 0,75%, cotado por R$ 1.320,00. Guaxupé/MG manteve a estabilidade por R$ 1.320,00, Patrocínio/MG por R$ 1.320,00 e Campos Gerais/MG manteve por R$ 1.330,00. 

O tipo cereja descascado teve baixa de 1,37% em Poços de Caldas/MG, negociado por R$ 1.440,00 e Varginha/MG teve alta de 1,46%, valendo R$ 1.390,00. Guaxupé/MG manteve a estabilidade por R$ 1.370,00, Patrocínio/MG por R$ 1.355,00 e Campos Gerais/MG por R$ 1.390,00.  

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário