Café mantém de cenário de ajustes nos preços e dólar ajuda a pressionar cotações nesta 3ª feira

Publicado em 05/07/2022 11:50
Estoques na ICE, colheita no Brasil e problemas climáticos monitorados

Logotipo Notícias Agrícolas

O mercado futuro do café arábica continua operando com baixas técnicas para os principais contratos no pregão desta terça-feira (5) na Bolsa de Nova York (ICE Future US). O café tem o primeiro pregão da semana mais tranquilo, após grande variação na semana passada. Ainda assim, o setor continua monitorando os estoques de café certificados na ICE, colheita mais lenta no Brasil e problemas climáticos nas principais origens produtoras. 

Por volta das 11h46 (horário de Brasília), setembro/22 tinha queda de 165 pontos, negociado por 223,20 cents/lbp, dezembro/22 tinha queda de 160 pontos, cotado por 219,90 cents/lbp, março/23 tinha baixa de 155 pontos, valendo 217,15 cents/lbp e maio/23 tinha queda de 195 pontos, valendo 215 cents/lbp. 

Na Bolsa de Londres, o café tipo conilon também opera com desvalorização. Setembro/22 tinha queda de US$ 34 por tonelada, valendo US$ 1965, novembro/22 teve queda de US$ 36 por tonelada, cotado por US$ 1965, janeiro/23 tinha baixa de US$ 37 por tonelada, negociado por US$ 1962 e março/23 tinha queda de US$ 36 por tonelada, valendo US$ 1960. 

Também neste horário, o dólar registrava alta de 1,11% e era negociado por R$ 5,39 na venda, ajudando a pressionar as cotações de café em Nova York e em Londres. "O dólar avançava acentuadamente nesta terça-feira, chegando a superar os 5,39 reais nos maiores patamares do dia diante de disparada internacional da moeda norte-americana, com investidores do mundo inteiro fugindo para ativos seguros em meio a temores generalizados de recessão", destacou a a agência de notícias Reuters. 

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário